Tempo
|
Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo
Um escritor, dramaturgo e cineasta e um “proletário do teclado” e cronista. Discordam profundamente na maior parte dos temas. À segunda e quarta, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Nova Encíclica. “O amor cristão também é civil e político”
Nova Encíclica. “O amor cristão também é civil e político”

J. Lucas Pires

Encíclica. “O amor cristão também é civil e político”

07 out, 2020 • Marta Grosso , Miguel Coelho (moderação do debate)


Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo comentam a nova Encíclica do Papa Francisco e a nomeação do presidente do Tribunal de Contas. “Vai haver uma segunda polémica”, prevê Henrique Raposo.

A nova Encíclica do Papa, “Fratelli Tutti”, “é muito oportuna” e “não é daquelas boas intenções que passam ao lado do mundo”, dizem Henrique Raposo e Jacinto Lucas Pires nesta quarta-feira.

Publicada no domingo, a Encíclica apela à fraternidade e solidariedade social, denuncia o individualismo, condena a pena de morte (que considera uma ofensa à dignidade humana) e contém uma série de curiosidades e citações, incluindo de um documentário de Wim Wenders.

“O Papa pede mudança”, diz Jacinto Lucas Pires, recordando que o documento “teve respostas muito duras, o que é bom sinal”.

“Tem uma visão muito interessante da globalização”, à qual aponta “uma falta de sentido de pertença e uma ilusão de comunicação”, acrescenta o comentador do programa As Três da Manhã.

Quer Lucas Pires quer Henrique Raposo consideram que a mensagem do Papa vai além das relações pessoais: “o amor cristão também é civil e político”.

Henrique Raposo aproveita para alertar contra o voto nacionalista. “Há no voto cristão, de novo, uma nova tentação nacionalista. Os católicos podem votar nos nacionalistas, mas aí estão a negar o seu catolicismo, estão a incorrer no nacionalismo pagão”.

Nesta quarta-feira, os dois comentadores falaram também sobre o novo nome para o Tribunal de Contas: José Tavares.

“O Governo está a pôr-se a jeito”, diz Jacinto Lucas Pires. “Acho bem a ideia dos mandatos únicos, mas deveria ter sido dito antes e, por outro lado, parece-me que o Governo tem níveis diferentes de rigor para instituições diferentes”, aponta.

Henrique Raposo lembra que o novo presidente do Tribunal de Contas “é considerado muito próximo de Paulo Campos, que está ligado a uma das piores faces da governação de José Sócrates”. E considera que o Presidente da República “se precipitou ao aceitar este nome” e prevê uma nova polémica.

“É exigido rigor, transparência nos processos e clareza nas escolhas e acho que estamos longe desse panorama”, conclui Jacinto Lucas Pires.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.