Tempo
|
A+ / A-

Postal de Quarentena – Glasgow

O sonho de voltar a ver futebol ao vivo

18 ago, 2020 - 06:40 • Alasdair Madden*

Desde o início da pandemia morreram cerca de 2.500 pessoas na Escócia, uma fração das mais de 40 mil mortes no Reino Unido. Neste postal um jovem adepto de futebol conta como a sua paixão de visitar estádios para assistir a jogos ao vivo ficou suspensa por causa da Covid.

A+ / A-

Leia também:


Quando o confinamento foi anunciado na Escócia, no dia 23 de março, houve um sentimento quase universal de aceitação. Na maioria, os escoceses estavam relativamente em paz, pelo menos no início, com a ideia de que muitos dos seus hábitos sociais pré-pandémicos teriam de ser temporariamente suspensos. As idas ao ginásio, uma refeição espontânea com amigos, um alucinante dia de compras no final do mês, depois de receber o ordenado (e em pessoa, claro), copos numa sexta-feira à noite, para assinalar o início do fim-de-semana – todos os aspetos da vida que os escoceses davam por adquiridos antes de a pandemia ter tecido a sua teia silenciosa de disrupção. Entretanto as restrições foram amenizadas e as vidas começaram a regressar a algo vagamente parecido com o “normal” pré-pandémico. Mas, para mim e para muitos outros na Escócia, ainda falta uma coisa: ir à bola ao sábado.

Eu sou adepto do Kilmarnock Football Club, uma equipa de meio da tabela da primeira liga escocesa. Antes da pandemia, na maioria dos sábados podiam encontrar-me a caminho do nosso estádio, Rugby Park, ou outros estádios como o Easter Road, do Hibernian, na capital. Num terrível golpe de azar, o meu último jogo fora antes do confinamento foi uma ida ao Estádio Fountain of Youth, do Hamilton Accies. Nesse dia o Kilmarnock perdeu 1-0, num jogo mortiço, desinspirado e totalmente olvidável. Foram 90 minutos tão deprimentes que só a notícia de que o futebol escocês ia ser suspenso, com efeitos imediatos, como parte do esforço do Governo de limitar a propagação do vírus é que podia ter agravado a minha miséria. Dentro de poucos dias, contudo, eu e todos os outros adeptos de futebol no país estavam a enfrentar essa realidade.

Para meu alívio gosto de ver jogos de outros clubes espalhados pelo mundo e sou adepto de “groundhopping”, o hábito de visitar estádios. Enquanto estudava em Estrasburgo, França, há alguns anos, comprei um bilhete de época para ver o Racing Club Strasbourg Alsace. No final dessa época estava viciado em “groundhopping” e desde então tenho ido a jogos na Alemanha, Bélgica, Portugal, Dinamarca, Holanda, Suíça, República Checa, Irlanda do Norte, Estados Unidos e o surreal principado do Mónaco. Escrevo sobre algumas destas viagens no meu site. Tipicamente os posts discutem a experiência do dia do jogo, mas olhando também para vários aspetos geopolíticos, culturais e históricos relacionados com o clube em questão.

No final de abril tinha planeado visitar o Stadio Olimpico de Roma, Itália, para ver o Roma contra o Inter Milan. Obviamente essa viagem foi adiada, mas ainda aproveitei da melhor maneira um fim-de-semana no sudoeste da Escócia em vez de na capital italiana. Vi uma repetição antiga da final da Coppa Italia de 2006, comi de mais e absorvi o raro calor do sol da primavera escocesa. De certa forma esses meus dias definem a experiência de confinamento de pessoas em todo o país. Confrontados com a desilusão (em diferentes graus) e, para muitos, a grande adversidade, as pessoas tiveram de fazer cedências e tentar manter-se animadas.

Ninguém sabe bem o que se vai passar ao longo dos próximos meses, ou mesmo anos. Eu só espero que não passe muito tempo até poder voltar a ver futebol ao vivo, nem que seja um miserável jogo fora contra o Hamilton Accies.


*Alasdair Madden tem 24 anos e é advogado estagiário. Vive em Glasgow, na Escócia, e nos seus tempos livres produz um podcast sobre futebol europeu e gere um blog sobre deslocações de futebol.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.