Tempo
|
A+ / A-

Previsões do Banco de Portugal. Recessão de 8,1% e desemprego nos 7,5% em 2020

06 out, 2020 - 12:40 • Lusa

Números foram divulgados esta terça-feira, no Boletim Económico de outubro, apresentado pelo governador Mário Centeno.

A+ / A-

O Banco de Portugal melhorou as suas estimativas para 2020. Ainda assim, a instituição liderada por Mário Centeno espera uma recessão económica de 8,1%, devido à pandemia de Covid-19, melhor do que os 9,5% projetados em junho, segundo no Boletim Económico divulgado esta terça-feira.

"A economia portuguesa cairá 8,1% em 2020, reflexo de uma queda homóloga de 9,4% no primeiro semestre e de uma recuperação na segunda metade do ano, que se traduz numa variação homóloga de -6,8%", pode ler-se no documento.

A projeção agora apresentada revê 1,4 pontos percentuais em alta a previsão de junho, reflexo de um impacto mais reduzido do confinamento na economia portuguesa e de uma reação das empresas e famílias melhor do que a antecipada, adianta o banco central.

Em relação à taxa de desemprego, o regulador prevê que seja de 7,5% em 2020, uma revisão em baixa face aos 10,1% de junho.

O Boletim Económico aponta que, devido à contração da atividade decorrente da pandemia, haja um aumento da taxa de desemprego para 7,5% em termos médios anuais, face aos 6,5% em 2019, valor que representa uma revisão em baixa face à divulgada em junho.

"A especificidade da crise pandémica implicou uma diminuição da taxa de desemprego no primeiro semestre de 2020, num quadro de uma redução significativa da população ativa. Com a normalização gradual das circunstâncias associadas à pandemia, projeta-se um aumento da taxa de desemprego e da população ativa na segunda metade do ano", lê-se no documento do banco central.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.