Tempo
|
A+ / A-

Taxa de prevalência de Covid-19 é de 3,1% nos profissionais de saúde

02 out, 2020 - 15:23 • Lusa

Estudo da Ordem dos Médicos pretendeu avaliar se os profissionais de saúde que compõem esta amostra estiveram infetados pela covid-19, mas permaneceram assintomáticos.

A+ / A-

Veja também:


Um estudo da Ordem dos Médicos (OM), divulgado esta sexta-feira, conclui que a taxa de prevalência do novo coronavírus foi de 3,1% numa amostra de 1.802 profissionais de saúde de todo o país.

Este estudo pretendeu avaliar se os profissionais de saúde que compõem esta amostra estiveram infetados pela covid-19, mas permaneceram assintomáticos.

A análise, que teve início em junho, não incluiu médicos, enfermeiros, auxiliares de ação médica e outros profissionais que testaram positivo à covid-19, nem os que exerceram funções através de teleconsulta, tendo privilegiado os que estiveram no terreno no período crítico da pandemia.

“Ainda não podemos comparar a seroprevalência nos profissionais com a seroprevalência na população em geral”, referiu o bastonário da OM, Miguel Guimarães, que falava aos jornalistas no Porto ao lado dos promotores do estudo levado a cabo pela Fundação Vox Populi, Fundação Manuel Viegas Guerreiro, Fundação The Claude and Sofia Marion Foundation, Fundação Álvaro Carvalho e Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa.

Já salvaguardando que os dados “são ainda preliminares”, o coordenador do estudo e presidente da Fundação Álvaro Carvalho, explicou que “o objetivo foi compreender se a taxa de prevalência nos profissionais de saúde é superior à da população em geral” e, dessa forma, “conhecer o real impacto na pandemia em Portugal, preparando o país para os meses que se aproximam”.

“Concluiu-se que a taxa de prevalência foi de cerca de 3%, o que é baixo para a nossa expectativa dada a exposição que tiveram. Mas há que ter em conta fatores de correção. A taxa de prevalência será superior na realidade”, referiu Álvaro Carvalho, médico de Medicina Interna.

O estudo visou profissionais de saúde de unidades de cuidados primários, bem como de contexto hospitalar, instituições privadas, públicas e do setor social.

Sem precisarem números por categoria profissional, os promotores do estudo garantiram ter existido “a preocupação de haver proporcionalidade face à realidade”, ou seja, mais enfermeiros que médicos, por exemplo.

Já, sublinhando a abrangência de Norte a Sul do país, foi destacado que a taxa de prevalência foi de 6,2% nos profissionais de saúde da região Norte, enquanto no Sul o valor ronda os 2%.

Os dados hoje apresentados apontam, também, que cerca de 80% dos profissionais entrevistados dizem ter trabalhado protegidos, enquanto 17% responderam que estavam parcialmente protegidos e “uma pequenina fração não teve nenhuma proteção”.

“Isto vem reforçar o problema que tem esta pandemia que são os assintomáticos. Cerca de 3% dos profissionais de saúde ficaram infetados e a sua infeção passou assintomática. Eles nem deram por ela”, analisou Francisco Antunes, que foi diretor do Serviço de infecciologia do Hospital de Santa Maria e é professor jubilado da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

“É importante insistir que o problema do controlo desta infeção é a elevada prevalência dos assintomáticos. São transmissores de infeção ainda que, certamente nos cuidados de saúde se protejam a eles e aos seus doentes. Há que reforçar a importância da proteção”, concluiu Francisco Antunes.

Também Miguel Guimarães, socorrendo-se especificamente das respostas dos médicos sobre equipamentos de proteção individual (EPI), destacou que “dois terços disseram ter tido acesso [a equipamento], o que quer dizer que “pelo menos um terço não terá tido”.

“Houve algumas falhas que têm a ver com várias situações e [os profissionais de saúde] não estiveram sempre com os EPI que deveriam. Os EPI não são iguais em todas as circunstâncias. Uma máscara cirúrgica é diferente de uma FFP2”, exemplificou.

Paralelamente a este estudo, decorre a análise e conclusão de outros dois levados a cabo pela mesmo grupo de entidades.

Um que usa o concelho de Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, como “concelho amostra” e que tem como objetivo analisar a taxa de prevalência epidemiológica em Portugal. Inclui 3.000 pessoas de todas as freguesias e de várias faixas etárias.

“Gaia porque é o segundo concelho maior do país em número de habitantes, tem uma área urbana e rural, atividade económica primária, secundária e terciária e foi uma zona muito atingida pela pandemia numa fase inicial”, justificou Álvaro Carvalho.

Já o terceiro estudo, que tem como nome “Painel de Vigilância Imunológica” e inclui pessoas que testaram positivo ao novo coronavírus, visa estudar se as pessoas ficam com alguma imunidade humoral e por quanto tempo.

Este painel abrange 600 pessoas de todo o país, 200 das quais profissionais e utentes de lares, e terá em conta quatro análises ao sangue.

Os resultados finais serão publicados com o apoio do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto e da Medical School da Universidade Nova de Lisboa

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 1.983 em Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.