Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

Marcelo admite que Fátima está a ser penalizada com a falta de peregrinos

01 out, 2020 - 23:09 • Lusa

Presidente da República encontrou-se com empresários de Ourém e Fátima antes da peregrinação de 13 de outubro, que terá limite de 6 mil pessoas no recinto do Santuário.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente da República admitiu esta quinta-feira que os empresários de Fátima estão a ser penalizados pela falta de grupos de peregrinos, nomeadamente da Coreia do Sul, Estados Unidos, Polónia ou Itália, na sequência da pandemia de Covid-19.

“É evidente que temos aqui um problema não só para as estruturas turísticas, mas um problema para toda a atividade económica relativamente a Fátima e a Ourém - já não falo dos concelhos vizinhos -, que dependem muito do turismo, que infelizmente o externo já não pode viajar hoje”, constatou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República jantou hoje em Fátima com um grupo de empresários, a presidente da Associação Empresarial Ourém-Fátima (ACISO), o presidente do Município de Ourém e o reitor do Santuário, para ouvir as preocupações sobre o impacto da pandemia de Covid-19 no setor do turismo religioso do concelho.

Quanto aos peregrinos portugueses, o chefe de Estado referiu que “começaram a vir progressivamente”, tal como ele próprio o fez “por duas vezes”.

“Da primeira vez havia 100 pessoas em todo o recinto do santuário. Houve muitas a seguir ao desconfinamento e mais tarde haveria já umas centenas de pessoas espalhadas pelo recinto do Santuário”, adiantou.

O chefe de Estado salientou que Fátima é um “polo de turismo religioso”, mas também de turismo cultural, histórico e patrimonial, que “tem sofrido muito”.

Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que para que haja recuperação da economia é “fundamental que a pandemia não seja muito longa e que ofereça um horizonte de desagravamento, o que não tem acontecido neste momento”.

“Veremos como é que se passará daqui a umas semanas, daqui a um mês ou dois, para que a atividade económica e social possa ir regressando, nomeadamente o turismo, como é o caso aqui”, referiu, observando que o “turismo está ligado à restauração, a restauração ao comércio e o comércio aos serviços”, onde existem “muitas micro, pequenas e médias empresas”.

“Acabei de vir de um fórum na Galiza [Espanha], onde o tema foi esse e a preocupação das autoridades espanholas é enorme em relação ao turismo e às consequências da paragem do turismo, nomeadamente do turismo externo, na vida económica espanhola, como na vida económica portuguesa”, rematou.

Portugal contabiliza pelo menos 1.977 mortos associados à Covid-19 em 76.396 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.