Tempo
|
A+ / A-

Surto de Covid-19

Oito dos infetados em lar ilegal de Évora já recuperaram

01 out, 2020 - 22:31 • Lusa

Surto de Covid-19 no Lar da Quinta da Sizuda gerou 53 casos, 13 deles na comunidade, e provocou a morte de uma idosa.

A+ / A-

Veja também:


Oito das pessoas infetadas com Covid-19 no surto detetado num lar ilegal em Évora já recuperaram da doença, revelou esta quinta-feira o município, acrescentando que se tratam de três utentes, duas funcionárias e três pessoas da comunidade.

Em comunicado, o município indicou que, dos 53 casos de Covid-19 com origem no Lar da Quinta da Sizuda (40 na instituição e 13 na comunidade), "oito já recuperaram", nomeadamente "três utentes, duas trabalhadoras e três outros" na comunidade.

Há ainda a registar um morto na sequência daquele surto.

Segundo o município, não foi detetado qualquer novo caso associado a este surto nos últimos 14 dias.

Contactada pela Lusa, uma fonte da Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo precisou que dois dos utentes do lar já recuperados estavam internados no Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), onde um dos quais ainda permanece.

O outro utente curado que estava internado foi transportado para casa de familiares e o terceiro encontra-se na residência da Universidade de Évora (UÉ) à espera de uma solução da Segurança Social, referiu.

Fonte do HESE adiantou à Lusa que três utentes do Lar da Quinta Sizuda encontram-se ainda internados na unidade hospitalar, sendo duas idosas de 83 e 91 anos em enfermaria e uma outra de 83 na unidade de cuidados intensivos.

Os utentes e funcionários da instituição que não necessitaram de internamento e que não tinham condições de isolamento em casa foram transferidos do lar ilegal para uma residência universitária na noite do dia 17 de setembro.

Uma utente do Lar da Quinta da Sizuda infetada com Covid-19 e que se encontrava internada no HESE morreu no dia 16 de setembro.

O primeiro caso de Covid-19 detetado neste lar ilegal da cidade foi o de um idoso que foi transportado, no dia 10 de setembro, para o HESE, onde fez o teste à doença com resultado positivo.

De acordo com o autarca de Évora, Carlos Pinto de Sá, o lar está ilegal por se localizar numa zona da cidade cujo plano de urbanização não permite este tipo de estruturas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.