Tempo
|
A+ / A-

EUA

Detido membro dos "Proud Boys" que apontou arma a manifestantes

30 set, 2020 - 22:55 • Redação com Reuters

Alan Swinney, que pertence ao grupo que Donald Trump mandou "recuar e aguardar", responde por 12 crimes, entre os quais agressão e uso ilegal de arma.

A+ / A-

Um apoiante do grupo de extrema-direita "Proud Boys" que estava acusado de apontar uma arma de fogo e disparar uma bala de tinta a manifestantes antirracistas em Portland, nos Estados Unidos da América, foi detido esta quarta-feira.

A detenção de Alan Swinney, de 50 anos, aconteceu horas depois de o Presidente dos EUA, Donald Trump, ter dito aos "Proud Boys" para "recuarem e aguardarem", durante o debate presidencial, quando questionado se "supremacistas brancos e grupos militantes" deviam ficar quietos, após confrontos com protestantes antirracistas em várias cidades norte-americanas.

Swinney, que tem "Proud Boy" tatuado no braço direito, foi acusado, a 11 de setembro, de alegadamente ter borrifado gás-pimenta, ter causado danos físicos com uma arma de "paintball" e ter apontado um revólver durante manifestações em Portland, a 15 e 22 de agosto, de acordo com o referendo de acusação.

O arguido está detido na prisão do condado de Multnomah e vai responder por 12 crimes, incluindo agressão e uso ilegal de arma.

Os "Proud Boys", que se declaram "chauvinistas ocidentais", reuniram quase mil apoiantes no sábado, num protesto contra quatro meses de constantes protestos contra o racismo e a violência policial nos EUA.

Constituído apenas por homens, o grupo "Proud Boys" descreve-se como uma organização fraternal que é "anti-politicamente correto". Contudo, oficialmente, são classificados como um grupo de ódio, com base na retórica anti-muçulmana e misógina dos seus membros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+