Tempo
|
A+ / A-

Renascença distinguida com menções honrosas no prémio de Jornalismo “Os Direitos da Crianças em Notícia”

30 set, 2020 - 16:30

As jornalistas Joana Gonçalves e Teresa Paula Costa foram distinguidas com as reportagens "Vítimas silenciosas, testemunhas silenciadas. 'As crianças são completamente" esquecidas pelo Estado'" e "Regresso ao futuro: a Telescola ou o direito de aprender a brincar", respetivamente.

A+ / A-
"Atrás de uma mãe em sofrimento está uma criança em sofrimento"
"Atrás de uma mãe em sofrimento está uma criança em sofrimento"

A Renascença foi agraciada com duas menções honrosas, nas categorias imprensa/online e rádio, na 6.ª edição do prémio de jornalismo “Os Direitos da Crianças em Notícia”, com trabalhos das jornalistas Joana Gonçalves e Teresa Paula Costa.

Na categoria imprensa/online, o trabalho distinguido pelo júri foi "Vítimas silenciosas, testemunhas silenciadas. 'As crianças são completamente esquecidas pelo Estado'".

Nessa reportagem, a jornalista da Renascença Joana Gonçaves aborda os últimos dez anos, espaço temporal em que cerca de mil crianças ficaram órfãs em Portugal em resultado de violência doméstica. É ainda descrito que quase metade das vítimas acolhidas em casas de abrigo são menores e que à época os últimos dados apontavam para 590 crianças e jovens à guarda do Estado.

Na mesma categoria, o 1º prémio foi para a jornalista do Diário de Notícias Ana Mafalda Inácio, que realizou um dossier com três peças sobre adoção: "Adoção: crianças que perderam tudo e ganharam tudo"; "Crianças dadas à nascença para adoção esperam um ano ou mais a decisão de juízes"; "Interrupção da adoção. “Fui devolvido. Ninguém me quer...”.

Na categoria rádio, a jornalista da Renascença Teresa Paula Costa recebeu uma menção honrosa pela reportagem "Regresso ao futuro: a Telescola ou o direito de aprender a brincar".

O 1º prémio foi para a jornalista da Antena 1 Rita Colaço com "Mami Huambo, grande reportagem realizada em Angola", e em televisão a vencedora foi Maria Amélia Moura Ramos (SIC) coma grande reportagem "Entregues à Sorte, investigação histórica sobre crianças açorianas entregues a famílias norte-americanas da Base das Lages".

Este é um prémio pecuniário, promovido pelo Fórum sobre os Direitos das Crianças e dos Jovens, patrocinado pela Sociedade Portuguesa de Autores.

Esta distinção tem como objetivo valorizar trabalhos jornalísticos de referência, que incidam sobre temáticas ligadas à infância e juventude, tendo sempre presente os direitos estabelecidos pela Convenção sobre os Direitos das Crianças da ONU (1989) ratificada por Portugal.

Os membros do júri destacam o número elevado de candidaturas e salientam a qualidade e a diversidade dos trabalhos a concurso. As 52 peças jornalísticas concorrentes abordaram problemáticas tão distintas como a violência no namoro, a regulação da responsabilidade parental, o cancro pediátrico, o abuso sexual, os maus-tratos, o abandono, o bullying, o brincar e as crianças imigrantes, entre outras questões centrais para a proteção e promoção dos Direitos das Crianças.

O júri do prémio “Os Direitos da Crianças em Notícia” é composto pelo jornalista Adelino Gomes, Cristina Ponte, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa e Lídia Maropo, da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal.

Tanto Cristina Ponte como Lídia Maropo fazem parte de Fórum Sobre os Direitos das Crianças e dos Jovens.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.