Tempo
|
A+ / A-

Linha Azul

Metro de Lisboa conta normalizar circulação mais cedo do que o esperado

30 set, 2020 - 09:00 • Redação

Comboio atingido levava 300 pessoas a bordo. Após o desabamento na Linha Azul, a Carris anunciou o reforçou duas carreiras.

A+ / A-

A circulação do metro entre as Laranjeiras e o Marquês de Pombal deverá ser retomada mais depressa do que o esperado. É esta a convicção do presidente do Conselho de Administração do Metro de Lisboa.

Depois do desabamento de terça-feira, que causou quatro feridos ligeiros e levou à interrupção da circulação num troço da Linha Azul, Vítor Santos diz que já há uma solução, só falta a aprovação do Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

“Aguardamos a todo momento a aprovação. Toda a limpeza foi efetuada, o comboio retirado e o buraco está tapado. Esperamos, se tudo correr como previsto, reduzir os prazos do corte da Linha Azul entre as Laranjeiras e o Marquês de Pombal.”

Na conferência de imprensa, desta manhã, o mesmo responsável disse ainda esperar que não haja mais erros nas obras que decorrem na Praça de Espanha, as quais foram apontadas como a causa do desabamento.

Devido à interrupção de um troço da Linha Azul, a manhã tem sido marcada por alguma confusão com autocarros cheios e passageiros a tentarem encontrar alternativa.

Em comunicado, a Carris informou que "no seguimento da interrupção de circulação do Metropolitano de Lisboa, no troço Marquês de Pombal - Laranjeiras da Linha Azul", a empresa reforçou as carreiras 746 e 726.

Na altura do acidente, cerca das 14h30, estavam cerca de 300 pessoas na composição que passava no local.

Tal como tinha sido já referido na terça-feira, o presidente do conselho de administração do Metro disse que se tratou de um incidente de obra e que já foi levantado um inquérito para apurar as causas do desabamento.

“Acontece. A primeira coisa é tratar das pessoas - felizmente tivemos apenas quatro pessoas com ferimentos ligeiros - e depois é tratar da solução”, disse.

Na terça-feira, no local do desabamento, o vereador com o pelouro da Proteção Civil, Carlos Castro, indicou que se tratou de "um incidente decorrente da obra" de requalificação que está em curso na Praça de Espanha, adjudicada pelo município.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.