Tempo
|
A+ / A-

Notícia Renascença

Mais de 100 empresas portuguesas vão processar a Uber por pagamentos em atraso

30 set, 2020 - 18:11 • Fábio Monteiro

Atrasos nas remunerações semanais começaram no início de setembro. Processo deverá dar entrada na justiça na próxima semana.

A+ / A-

Mais de uma centena de empresas parceiras da Uber e da filial Uber Eats vão avançar com uma ação coletiva contra a plataforma devido a pagamentos em atraso, apurou a Renascença. O processo deverá dar entrada na justiça na próxima semana. Até ao momento, cerca de 125 “lesados” já manifestaram interesse em entrar no processo judicial contra a Uber, mas a expectativa dos promotores é que o número ultrapasse as duas ou mais centenas.

Os atrasos nas remunerações semanais começaram no início de setembro, como é exemplo o caso de Andreia Morgado, proprietária do restaurante Pátria Burger, na Maia.

“No dia 30 de agosto recebemos o último pagamento [da Uber] e desde aí não recebemos nem mais um cêntimo. De momento, a dívida ascende a quatro mil euros. Já enviei cerca de 40 e-mails e só recebi respostas automáticas. O meu advogado já enviou vários e-mails também, porque nós entendemos começar uma ação em tribunal”, conta a proprietária.

Quando os pagamentos foram bloqueados, a Uber exigiu um comprovativo de atividade das Finanças da hamburgueria – documento, garante Andreia, que já havia sido submetido dois meses antes, quando começou a parceria com a plataforma. “Ao fim de uns trinta e-mails aprovaram [o comprovativo], mas continuaram sem pagar”, diz.

Há quatro semanas que Andreia não recebe nenhum valor das refeições vendidas através do serviço Uber Eats, o que, na prática, está a colocar uma corda ao pescoço do estabelecimento. “Estamos a ponderar encerrar. O restaurante é pequenino. Somos três pessoas. Começámos no meio da pandemia”, diz.

O Pátria Burger abriu em junho, em plena pandemia, e o seu modelo de negócio está fortemente assente nos serviços de entrega ao domicílio. “Fizemos parceria com a Glovo. Tem pago normalmente, sem problema algum, mas só a Glovo não chega para nos manter. Em termos de clientela presencial é muito pouca. Não podemos ter muita gente no restaurante”, lembra.


Frente TVDE

David Assis, sócio único de uma empresa parceira da Uber, vive a mesma luta que Andreia, mas está noutra frente: os veículos TVDE. Desde o início de setembro, também está sem receber da plataforma; em causa, estão cerca de dois mil euros.

Como outros lesados ouvidos pela Renascença, David foi apanhado de surpresa uma segunda-feira, no início do mês, quando percebeu que não tinha recebido da Uber. Para se informar, deslocou-se às Amoreiras, ao Green Light Hub da Uber, onde lhe foi dito que tinha de atualizar os dados da empresa – o que fez, apesar das exigências não “fazerem sentido”. “A plataforma estava a pedir documentos que já tinha.” Mas a situação não se resolveu.

David continuou sem receber e depois foi-lhe dito que teria de submeter o registo de um dos sócios. O problema é que tal indivíduo nunca existiu. “Sou o proprietário único da empresa. Achei aquele e-mail descabido, para uma empresa deste gabarito, que avalia tudo e mais alguma coisa, vírgula a vírgula, ponto a ponto”, conta.

Ângela Reis, também detentora única de uma empresa parceira da Uber, relata uma experiência muito semelhante à de David. “Desde janeiro e até há um mês, a Uber sempre honrou os pagamentos. A mim, ficou sem pagar durante quatro semanas.” Na aplicação, “tinha tudo a verde”, nada indicava documentos em falta.

Por três vezes, durante o mês de setembro, Ângela deslocou-se ao centro de apoio da Uber nas Amoreiras, onde foi atendida por “miúdos novos sem experiência, sempre com os mesmos argumentos”, queixa-se. “Da segunda vez que lá fui, perdi um pouco a calma com o rapaz. Estava a dizer-lhe que a minha firma é unipessoal e ele dizia que faltava o cartão do sócio. Mas qual sócio? Não alterei nada. Não saí de lá enquanto o rapaz que me estava a atender percebesse o que é uma unipessoal”, conta.

Ângela não teve de submeter nenhum novo documento – e esta segunda-feira, dia 28 de setembro, recebeu os pagamentos em falta. “Não fiz nada”, garante – o que não é totalmente exato.

A empresária sediada em Algés submeteu uma reclamação no Portal da Queixa e incentivou os restantes “lesados”, que estão organizados e juntos em grupos de Whatsapp, a fazer o mesmo. “A Uber vive muito da imagem e isso afeta-os um bocado. Quando nós fazemos a queixa, passado 20 minutos, no máximo, já estão a pedir para a darmos como resolvida”, lembra.

Uber admite atrasos devido a diretiva europeia

Segundo a Uber, a demora nos pagamentos está relacionada com a entrada em vigor de uma nova diretiva da União Europeia, relativa ao branqueamento de capitais.

“É uma situação que está a afetar um número muito reduzido de parceiros, mas reconhecemos que mesmo para um número reduzido é um problema relevante. Estamos a trabalhar com eles para conseguirmos recolher a documentação necessária e ultrapassar estes constrangimentos o mais rapidamente possível”, disse fonte oficial da plataforma à Renascença.

De acordo com a empresa, entre maio e setembro, foram feitas várias chamadas e enviados múltiplos emails a alertar para a necessidade de atualizar registos. Além disso, foi também deixado um aviso de que os pagamentos poderiam ficar suspensos caso não submetessem os documentos requeridos.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.