Tempo
|
A+ / A-

Fernando Medina: Desabamento no Metro de Lisboa foi “erro grosseiro” numa obra da autarquia

30 set, 2020 - 13:13 • Lusa

Presidente da Câmara de Lisboa garante que túneis do metro "estão seguros" após o acidente na Linha Azul, que provocou quatro feridos ligeiros. A circulação na Linha Azul do Metro de Lisboa estará reposta “o mais tardar na sexta-feira de manhã”, afirma a empresa.

A+ / A-

Veja também:


O presidente da Câmara de Lisboa disse hoje que o desabamento que ocorreu terça-feira no túnel do metro na Praça de Espanha decorreu de um “erro grosseiro” numa obra da autarquia, assegurando que os túneis do metropolitano “estão seguros”.

“Este problema que aconteceu decorre de uma obra da Câmara Municipal de Lisboa totalmente alheia ao metro, isto não é um problema que pré-existisse no túnel do metro, que houvesse uma fragilidade, que houvesse ali alguma dificuldade, não. Isto decorreu de um problema que é uma obra da Câmara, onde ocorreu um erro grosseiro, em que ocorreu uma perfuração na vertical do túnel do metro que não devia ter acontecido”, afirmou Fernando Medina (PS).

Ainda segundo o presidente da Câmara de Lisboa, que falava aos jornalistas nos Paços do Concelho no final de uma reunião com os presidentes do Metropolitano de Lisboa e da Carris, o acidente “não resulta de nenhum problema da linha do metro”, daquele troço específico ou dos túneis.

Os túneis, disse, “estão seguros e sem nenhum risco”.

O desabamento de uma parte do túnel do metro na zona da Praça de Espanha ocorreu ao início da tarde de terça-feira e provocou quatro feridos ligeiros.

Na altura do acidente, cerca das 14h30, estavam cerca de 300 pessoas na composição que passava no local.

Circulação retomada até sexta-feira

A circulação na Linha Azul do Metro de Lisboa estará reposta “o mais tardar na sexta-feira de manhã”, depois da derrocada que ocorreu na terça-feira no túnel da Praça de Espanha, disse esta quarta-feira o presidente da empresa.

“O mais tardar sexta-feira da parte da manhã reabriremos ao tráfego”, afirmou o presidente do Metropolitano de Lisboa, Vítor Domingues dos Santos, em declarações aos jornalistas na Câmara Municipal de Lisboa, no final de uma reunião com o presidente da autarquia e o presidente da Carris.

Assegurando, tal como já tinha feito o presidente da Câmara de Lisboa, que os passageiros “não têm nenhum motivo” para não se sentirem seguros, já que o desabamento decorreu de uma obra que está a ser feita à superfície, o responsável do Metropolitano adiantou que durante a noite já foi recuperada a eletrificação e a sinalização do túnel, bem como as linhas de comunicação de emergência.

Os túneis, acrescentou, “estão todos vistoriados”.

Neste momento, disse, a empresa apenas está a aguardar uma resposta dos especialistas à proposta de trabalho de reparação do “buraco” que ficou aberto no túnel, que foi conjugada entre o metro, o empreiteiro e o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC).

“Espero que durante a tarde se inicie a betonagem. Há um buraco, há que tapar o buraco, que se vai tapar com ferro e com betão”, explicou, adiantando que durante a tarde de hoje espera ter uma data mais precisa sobre o retomar da operação do metro na Linha Azul.

[notícia atualizada às 13h46]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ANTONIO FERREIRA
    30 set, 2020 14:45
    E JÁ AGORA FOI ERRO "MUITO GROSSEIRO" DEIXAR ESSE SENHOR COMO PRESIDENTE DA AUTARQUIA DA CAPITAL DO PAIS.
  • ANTONIO FERREIRA
    30 set, 2020 14:34
    Mesmo "Grosseiro" - Incúria total quem multa a Camara por esta irresponsabilidade clamorosa. No mínimo demissão do Diretor do Dep. de Obras da Camara. e que sorte tiveram.