Tempo
|
Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

Quem não ganha vai a pé

28 set, 2020 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Num futebol como o nosso já recheado de casos, tivemos ontem o mais insólito de todos os que se conhecem, e que tem motivos bastantes para sobre eles se meditar.

Aconteceu em São João de Ver, onde a equipa local – atualmente a disputar o Campeonato de Portugal – recebeu o seu vizinho Lusitânia de Lourosa integrado no mesmo escalão do nosso futebol.

Só que o jogo contava para a Taça de Portugal e, pelos vistos, a equipa visitante tinha obrigação de ganhar.

Só que, como tantas vezes acontece em futebol, acabou por vencer a formação da casa por 1-0, eliminando assim o seu adversário da segunda mais importante competição do nosso calendário.

Resultado: por decisão do seu presidente Hugo Mendes, os jogadores, equipa técnica e afins foram forçados a efetuar a viagem de regresso… a pé, até Lourosa.

Isto é, quando os jogadores se dirigiam para o autocarro que os levaria de volta, esta já tinha partido, fazendo sem qualquer ocupante os cerca de cinco quilómetros do percurso.

Insólito o que aconteceu ontem em São João de Ver e que mereceu de imediato o repúdio do Sindicato dos Jogadores.

Ainda que tratando-se de uma equipa não profissional, o caso não deixa de merecer por isso uma enorme manifestação de desagrado.

Estes pequenos ditadores que pululam no futebol português e andam por aí às mãos-cheias, não deveriam no mesmo ter lugar.

O (mau) exemplo deste domingo vai certamente correr mundo e oxalá sirva de lição para outros possíveis prevaricadores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.