Tempo
|
A+ / A-

Vinhais e Bragança cancelam feiras da castanha

28 set, 2020 - 10:44 • Olímpia Mairos

Os dois eventos atraem anualmente milhares de visitantes, mas em tempos de Covid-19 as autarquias não querem correr riscos.

A+ / A-

A Câmara de Vinhais decidiu cancelar a feira anual Rural Castanha, dedicada a um dos principais produtos económicos do concelho, devido à pandemia Covid-19.

A não realização do certame é justificado pela autarquia “por não se encontrarem reunidas as condições de segurança, de forma a cumprir-se as regras emanadas pela Direção-Geral da Saúde, dado que se trata de um evento de grande dimensão que, consequentemente, iria gerar ajuntamentos de pessoas de várias localidades, o que se pretende evitar, perante a evolução da pandemia”.

No concelho de Vinhais, o negócio ligado ao fruto seco rende, anualmente, 15 a 20 milhões de euros, sendo que a produção chega, habitualmente, às 15 toneladas. A feira, que acontece anualmente em outubro, serve de montra desta cultura de outono.

A autarquia “está consciente que a não realização deste evento pode acarretar consequências para os seus produtores, pelo que tudo fará para ajudar a promover este fruto e outros produtos locais”, mas considera que “em consequência da situação epidemiológica que se vive em Portugal, resultado da pandemia da doença Covid-19, justifica-se a adoção de várias medidas com o intuito de prevenção, contenção e mitigação da transmissão da infeção”.

“Todos sabemos a importância da realização deste evento, dado que a castanha desempenha uma função crucial na vida da população do concelho de Vinhais, traduzindo-se numa enorme riqueza de costumes e tradições gastronómicas, religiosas, culturais e económicas, porém, hoje a prioridade é a proteção da saúde pública e o esforço de todos para a contenção do surto epidemiológico”, realça a autarquia, presidida por Luís Fernandes.

Já em Bragança foi cancelada a Feira Internacional do Norte – Norcaça, Norpesca e Norcastanha, que deveria decorrer entre 29 de outubro e 1 de novembro.

A decisão foi tomada por unanimidade pela comissão organizadora, constituída pelo Município de Bragança, Instituto Politécnico de Bragança, União das Freguesias de Sé, Santa Maria e Meixedo, Associação Empresarial do Distrito de Bragança – NERBA, Clube de Caça e Pesca de Bragança, Confraria Ibérica da Castanha e Dr. Júlio de Carvalho.

“Esta comissão entende que, atendendo à atual crise sanitária, à entrada do estado de contingência desde o dia 15 de setembro e à incerteza da evolução epidemiológica do Coronavírus Covid-19, não existem condições para realizar, em segurança, um evento que atrai muitos visitantes e envolve uma grande diversidade de atividades, grande parte em espaço fechado”, justifica em comunicado enviado à Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.