Tempo
|
A+ / A-

Há 350 mil vacinas da gripe disponíveis. Populações prioritárias podem aceder a partir desta segunda

28 set, 2020 - 06:35 • Redação com Lusa

Campanha começa mais cedo. Residentes em lares, profissionais de saúde, profissionais do setor social que prestam cuidados e grávidas estão entre os setores mais vulneráveis e serão os primeiros a poder ser vacinados.

A+ / A-

A vacina da gripe está disponível a partir desta segunda-feira, começando a ser administrada nas faixas da população consideradas prioritárias, como os residentes em lares de idosos e grávidas, segundo a Direção-Geral da Saúde.

A campanha de vacinação do Serviço Nacional de Saúde, que começa habitualmente em 15 de outubro, inicia-se este ano mais cedo com uma primeira fase para qual há 350 mil vacinas disponíveis.

O objetivo é evitar que um grande número de casos de gripe possa sobrecarregar ainda mais o Serviço Nacional de Saúde, já a braços com a pandemia

Residentes em lares de idosos, profissionais de saúde, profissionais do setor social que prestam cuidados e grávidas estão entre os setores mais vulneráveis e serão os primeiros a poder ser vacinados.

Na segunda fase, que começará em 19 de outubro, estão incluídos outros grupos de risco: pessoas com 65 ou mais anos e pessoas com doenças crónicas.

"Queremos vacinar o mais depressa possível e estamos a fazer planeamento com as administrações regionais de saúde para, se for necessário, ampliar os pontos vacinação para outras estruturas da comunidade" além dos centros de saúde, afirmou a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas quando anunciou a época da vacinação deste ano.

À Renascença, Rui Nogueira, presidente da Associação de Medicina Geral e Familiar, diz que vai haver uma mistura de "vacina oportunística" e voluntária.

"Todos os doentes com mais de 65 anos, e alguns grupos de risco com menos de 65 anos, que vão a consulta já marcada, vamos já começar a vacinar. A vacina oportunística dos doentes que vão a uma consulta já marcada e a vacinação específica para aqueles que, não tendo consulta marcada, no mês de outubro e novembro, acorram para fazer a vacinação", afirma.

"Ou seja, temos doentes que já estão marcados e farão a vacina na altura da consulta tranquilamente. Outros que não tenham a consulta marcada em outubro, novembro e até início de dezembro, deverão deslocar-se", reforça.

Também Graça Freitas apelou a todas as pessoas que tiverem indicação médica para que se vacinem, salientando que este ano, com a pandemia, é "ainda mais importante que o façam".

Havendo a pandemia "convém não ter outras infeções respiratórias que se possam confundir com covid e que obriguem a fazer um diagnóstico para ver se as pessoas têm covid ou têm gripe", referiu.

Além das vacinas gratuitas para as pessoas incluídas nos grupos de risco, haverá vacinas à venda nas farmácias que podem ser compradas com receita médica e são comparticipadas.

O SNS comprou este ano mais de dois milhões de vacinas da gripe a duas empresas diferentes, por concurso público, mas todas as vacinas são iguais.

A gripe é uma doença contagiosa e que geralmente se cura de forma espontânea. As complicações, quando surgem, ocorrem sobretudo em pessoas com doenças crónicas ou com mais de 65 anos.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.