Tempo
|
A+ / A-

Espinho. Jardim-de-infância encerrado 14 dias após novo caso de Covid-19

28 set, 2020 - 11:00 • Lusa

Estabelecimento tem três casos positivos e 140 crianças foram mandadas para casa por precaução.

A+ / A-

O jardim-de-infância da Escola Básica N.º 3 de Espinho encerrou por 14 dias, enviando para casa 140 crianças depois de ter sido diagnosticado mais um caso de Covid-19 num funcionário.

O número de infetados nesse estabelecimento de ensino do distrito de Aveiro, que sexta-feira registava um adulto e uma criança doentes, passa agora a contar com mais um funcionário infetado com o vírus SARS-CoV-2.

Coordenando a Comissão Municipal de Proteção Civil, o comandante dos Bombeiros Voluntários do Concelho de Espinho, Pedro Louro, revelou à Lusa que "a autoridade local de saúde decidiu mandar para quarentena todo o pessoal não docente do jardim-de-infância, por um máximo de 14 dias, e, sem eles, a escola não tem condições para funcionar, pelo que as 140 crianças estão em casa".

Na sexta-feira o jardim-de-infância ainda se mantinha em funcionamento e foi sujeito a operações de higienização, mas esta manhã já se apresentou encerrado. O fecho não afeta, contudo, os edifícios relativos ao ensino do 1.º Ciclo, o que acrescenta às infraestruturas do pré-escolar um universo adicional de cerca de 360 pessoas, entre crianças, docentes e funcionários.

"A situação não é grave, mas a autoridade local de saúde está a ser cautelosa, até porque há aqui uma nuance importante: um dos adultos infetados não reside no município de Espinho, o que significa que a sua situação pessoal e os seus contactos de risco estão a ser monitorizados por outra autoridade de saúde", nota Pedro Louro.

O adulto em questão tem residência em Ovar, segundo informou outra fonte ligada à Proteção Civil.

Em Portugal, morreram 1.953 pessoas dos 73.604 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.