Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Escola em Valongo com turma e professor em quarentena após um caso positivo

28 set, 2020 - 17:19 • Lusa

Para além do caso confirmado numa turma do primeiro ano, há ainda dois outros alunos infetados, em turmas do sexto e nono anos.

A+ / A-

Um aluno do primeiro ciclo do Agrupamento de Escolas Vallis Longus, em Valongo, acusou positivo para a covid-19, o que colocou a turma de 22 crianças e o professor em quarentena, disse hoje à Lusa o diretor Artur Oliveira.

Segundo o responsável do agrupamento, a turma do 1.º ano da Escola do Calvário, Valongo, no distrito do Porto, "está de quarentena em casa" depois daquele agrupamento ter sido informado "pelos familiares do aluno” de que este estava infetado.

"Seguimos as instruções da autoridade de saúde e as crianças foram mantidas em casa. A infeção não aconteceu em contexto escolar, mas sim porque os pais da criança estão, também, infetados", frisou.

Ainda segundo Artur Oliveira, "há mais dois alunos infetados, também em contexto familiar, em duas turmas da EB 2,3 Vallis Longus, e que foram detetados na semana passada pelas respetivas famílias, que alertaram para o efeito, pois já havia casos de infeção nesse contexto".

Em causa estão dois alunos, um do 6.º e outro do 9.º ano, disse o responsável, precisando que, nestes casos, a autoridade de saúde "autorizou que as aulas presenciais continuassem sob vigilância de temperatura duas vezes por dia", por considerar "tratar-se de um contágio de baixo risco".

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 33,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo o mais recente balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.957 pessoas dos 74.029 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.