Tempo
|
A+ / A-

Pandemia

OMS vai disponibilizar 120 milhões de testes rápidos de Covid-19 a países pobres

28 set, 2020 - 19:17 • Lusa

Testes destinam-se a 133 países, a maioria em África, o que "permitirá a expansão dos testes, particularmente em áreas de difícil acesso que não dispõem de instalações laboratoriais ou de pessoal de saúde com formação suficiente".

A+ / A-

Veja também:


O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, anunciou esta segunda-feira que a organização vai disponibilizar a países mais pobres 120 milhões de testes rápidos de Covid-19, com resultados prontos em 15 a 30 minutos.

Numa conferência de imprensa online a partir da sede da OMS, em Genebra, o responsável lembrou o papel que a organização teve anteriormente na disseminação dos reagentes PCR, para que os países pudessem testar a presença do coronavírus, tendo vindo a trabalhar para desenvolver testes mais rápidos e simples de utilizar em qualquer local.

“Esperamos que outros testes rápidos se sigam”, disse ao anunciar um acordo com várias entidades para que se produzam estes testes para países com poucos recursos. Na conferência de imprensa foi dito que beneficiarão dos testes 133 países, a maioria em África.

“Isto permitirá a expansão dos testes, particularmente em áreas de difícil acesso que não dispõem de instalações laboratoriais ou de pessoal de saúde com formação suficiente para realizar testes PCR”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, acrescentando que os testes rápidos vão ser disponibilizados ao longo dos próximos seis meses, com um preço de cinco dólares por unidade, “substancialmente mais baratos” do que os testes PCR.

Com um acordo e com um financiamento inicial, é preciso agora mais dinheiro para comprar os testes, avisou, explicando que o mundo tem de angariar mais de 35 mil milhões de dólares para o ACT-Accelerator (Acelerador de Acesso a Ferramentas Covid-19). O ACT-Accelerator é uma colaboração global para acelerar o desenvolvimento, produção e acesso equitativo a testes, medicamentos e vacinas conta a nova pandemia.

Na conferência de imprensa de hoje participaram também Catharina Boehme, diretora executiva da Fundação para Novos e Inovadores Diagnósticos (“Foundation for Innovative New Diagnostics – FIND), e Peter Sands, diretor executivo do Fundo Global de combate à Sida, Tuberculose e Malária.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de um milhão de mortos e mais de 33,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.957 pessoas dos 74.029 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.