Tempo
|
A+ / A-

Apoio à retoma progressiva

Novo "lay-off" simplificado? CGTP e patrões reagem com surpresa ao anúncio do Governo

28 set, 2020 - 22:46 • José Carlos Silva com redação

À Renascença, secretária-geral da CGTP e presidente da CIP dizem desconhecer proposta de alteração do apoio à retoma progressiva das empresas, face à pandemia de Covid-19.

A+ / A-

Veja também:


A secretária-geral da CGTP e o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) dizem desconhecer a proposta de alteração do apoio à retoma progressiva das empresas, depois de o Governo ter anunciado esta segunda-feira a flexibilização da medida de apoio que veio substituir o "lay-off" simplificado e que, ao contrário deste, não permite para já às empresas a suspensão do contrato de trabalho, apenas a redução do horário em função da quebra da atividade.

Ao contrário deste anterior regime, o apoio à retoma progressiva das empresas não permite que estas suspendam contratos de trabalho, apenas que reduzam o horário dos trabalhadores em função da quebra da atividade. Na prática, a proposta de alteração passa por permitir que as empresas possam suspender contratos de trabalho, aproximando o atual regime ao "lay-off" simplicado.

À Renascença, Isabel Camarinha começa por dizer que desconhece totalmente esta proposta.

“Isto não é aceitável desta forma. Agora, eu não posso dizer que [a resposta] é não sem conhecer efetivamente a proposta ou aquilo que o Governo tem em mente. Só conheço o que foi anunciado e a CGTP não tem qualquer informação sobre estas alterações a esta medida de apoio à retoma progressiva, nem a qualquer regresso ao ‘lay-off’ simplificado, nem a qualquer outro tipo de situação.”

A secretária-geral da central sindical recusa, desde já, qualquer medida que não inclua o pagamento das retribuições aos trabalhadores e outras medidas que continuam por cumprir.

“Não podemos pronunciar-nos sobre uma coisa que não conhecemos. Agora, o que é necessário garantir é a retribuição total aos trabalhadores, é garantir todos os postos de trabalho – e isso inclui os trabalhadores com vínculos precários que estão a ser mandados embora e despedidos pelas empresas – e isto não está a ser garantido, nem com as medidas que estão em vigor nem, aparentemente, com esta alteração que agora se pretende introduzir.”

António Saraiva, presidente da CIP, mostra-se “cauteloso” face ao anúncio do Governo e disse que o anúncio "não basta". Os parceiros sociais, defendem, têm de saber em pormenor o que está em cima da mesa e o representante dos patrões espera que isso aconteça já na quinta-feira de manhã, na próxima reunião da Concertação Social.

"Não tenho dúvidas de que o Governo vai levar [esta proposta] à Concertação Social para discussão com os parceiros sociais", adianta António Saraiva à Renascença. "Aí, com aquilo que nos apresentar, iremos pronunciar-nos de uma forma mais realista e mais obejtiva."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Gaspar
    29 set, 2020 Leiria 21:09
    Ola que dois esta de funcionária da CGTP passou secretária-geral da CGTP o António Saraiva de sindicalista da Lisnave passou a presidente da CIP..
  • António dos Santos
    29 set, 2020 Coimbra 13:18
    Quem cala esta exploradora dos trabalhadores?!!! Esta gaja não é sindicalista, mas sim, braço do PCP. A CGTP é uma central do PCP que chula os trabalhadores. Só querem jantaradas.