Tempo
|
A+ / A-

Gilberto Coimbra

"Para o Governo, os adeptos do futebol são pessoas incultas"

24 set, 2020 - 12:45 • Luís Aresta

O executivo olha para os adeptos do futebol como pessoas sem cultura e descartáveis, considera o presidente do Tondela. Em causa, a ausência de público nos estádios, devido à pandemia de Covid-19.

A+ / A-

Veja também:


O Governo está a descartar os adeptos do futebol. É a conclusão do presidente do Tondela, Gilberto Coimbra, depois de ter ouvido o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, contrariar as declarações do seu companheiro de Governo, João Paulo Rebelo.

O secretário de Estado da Juventude e do Desporto, tinha dito, na passada segunda-feira, esperar que nas próximas semanas pudessem ser criadas as condições para o regresso dos adeptos aos eventos desportivos.

Declarações contrariadas por Lacerda Sales, numa entrevista à SIC Notícias em que admitiu que o aumento de casos de Covid-19 em Portugal acentua a probabilidade de os estádios de futebol continuarem sem público nas bancadas. Uma discriminação com destinatários específicos, diz a Bola Branca, Gilberto Coimbra.

“Para o Governo, os adeptos do futebol não são engenheiros, doutores, advogados, administradores ou juízes. Não são pessoas cultas, são pessoas para descartar”, desabafa o presidente do Tondela. O dirigente do emblema da I Liga não poupa nas palavras e acusa o Governo de total desprezo pelo futebol.

“Meter mil ou 1500 pessoas, ordeiramente, no estádio do Tondela, é totalmente pacífico, tal como é pacífico colocar 10 ou 20 mil no Dragão ou na Luz”, sublinha, antes de fazer notar que “o Governo – seria forte dizê-lo - está a destratar o futebol e não faz contas ao quanto esta indústria é importante pelas receitas que faz entrar no país. O futebol nunca foi tratado da mesma forma que outros espetáculos”, declara.

Enquanto rejeita olhar para os danos financeiros que a ausência de adeptos no seu estádio está a provocar, porque é preciso “não desanimar”, o presidente do Tondela manifesta a esperança de que o Governo de António Costa arrepie caminho. “Na minha opinião vamos ter público no futebol na primeira ou segunda semanas de outubro. Não faz sentido que assim não seja”, remata.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    24 set, 2020 Trofa 14:19
    Ouvir o presidente do Tondela, dá pena. é triste quando uma pessoa que esta a representar algo, tem um dialogo que vai contra o tentar controlar um problema de saúde grave, é por estas e por outras, que o pais esta abraços com uma segunda fase desta pandemia