Tempo
|
A+ / A-

Nova polémica. Venda em França motiva queixa sobre o Novo Banco

24 set, 2020 - 07:45 • Redação

O caso originou uma queixa junto do regulador europeu.

A+ / A-

O Novo Banco está no centro de mais uma polémica, que motivou uma queixa junto das autoridades europeias.

Em causa, a venda da subsidiária francesa do BES, que terá sido feita com um desconto de 68% face ao preço de balanço e num quadro de conflito de interesses.

Segundo o jornal “Público”, o caso originou uma queixa junto do regulador europeu.

Um carta-denúncia revela que 87,5% do capital da subsidiária francesa do Novo Banco foi vendido por 48 milhões de euros, com um desconto de 67,5% face ao valor contabilístico (151,4 milhões de euros), e que o negócio decorreu em “contexto de conflito de interesses”, dado que o atual presidente não executivo do Novo Banco, Byron Haynes, foi recrutado pelo Lone Star ao universo do Cerberus Capital. Haynes era o CEO do banco austríaco Bagaw PSK, instituição detida desde 2016 pelo fundo de “private equity” norte-americano.

Um tema mencionado na auditoria da Deloitte, que a propósito desta operação refere que a gestão de António Ramalho não analisou os potenciais conflitos de interesse associados à transacção.

O Banco de Portugal assegura que está a analisar as “falhas” da gestão “apontadas” pela auditora, lembra o jornal.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.