Tempo
|
Três por Todos - Assista ao direto Três por Todos - Participe nos leilões
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
A+ / A-

​Estudo

Consumo constante álcool afeta células do sistema nervoso e aumenta ansiedade

23 set, 2020 - 07:31 • Lusa

Estudo, publicado na revista “Science Signaling”, estava a ser desenvolvido há cerca de cinco anos.

A+ / A-

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S) concluíram que o consumo repetitivo de álcool afeta diretamente células imunes do sistema nervoso central que eliminam parte da comunicação entre os neurónios e provocam o aumento da ansiedade.

Renato Socodota, investigador do i3S, explicou que o estudo, publicado na revista “Science Signaling” e que estava a ser desenvolvido há cerca de cinco anos, visava "perceber o papel neurotóxico do álcool e os mecanismos moleculares e celulares envolvidos".

Para isso, a equipa multidisciplinar de investigadores do i3S, recorreu a modelos experimentais, nomeadamente, a "ratinhos machos" e induziram um padrão de "ingestão repetitiva de álcool" durante 10 dias.

"Se fizéssemos a translação para um adulto homem saudável correspondia a cinco bebidas por dia, e numa mulher o equivalente entre três e quatro bebidas", explicou Renato Socodota, primeiro autor do artigo.

Através destas metodologias, os investigadores do grupo 'Glial Cell Biology' mostrou que a ingestão repetitiva e excessiva de álcool atua diretamente na microglia (células imunes do sistema nervoso central), fazendo com que estas respondam "muito antes dos neurónios" aos efeitos do álcool.

"O álcool ativa essas células e elas eliminam as sinapses [elementos de comunicação entre os neurónios], o que contribui para a disfunção neuronal e possivelmente, comportamental que leva à adição", explicou o investigador, adiantando que estes resultados são "completamente novos e inesperados".

Segundo Renato Socodota, tais conclusões mostram a necessidade de a parte imunológica do sistema nervoso central ser "considerada um elemento chave".

A par do papel neurotóxico do álcool, a equipa de investigação 'Addiction Biology' do i3S, liderada pela investigadora Teresa Summavielle estudou "o papel da microglia no cérebro sob o efeito do álcool".

"O facto de termos negligenciado outras células do cérebro durante muito tempo, considerando-as de suporte, contribuiu para que muitas das terapêuticas que temos para as doenças relacionadas com o cérebro não fossem tão eficientes como poderiam ser", disse a investigadora.

Neste estudo, o grupo mostrou ainda que é "possível reverter o efeito do álcool", nomeadamente, através de fármacos já utilizados para combater o cancro.

"Usámos fármacos que já estavam aprovados para tentar diminuir os efeitos tóxicos do álcool e resultou", disse Teresa Summavielle, acrescentando que o grupo pretende dar continuidade ao estudo.

"Gostávamos de usar um modelo de exposição mais longa para ver como é que o perfil de reatividade da microglia é alterado, como é que isso se reflete na ligação entre a microglia e outras células, o impacto que isso tem no comportamento e até que período de ingestão de álcool conseguimos prevenir os efeitos", afirmou.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+