Tempo
|
A+ / A-

Crise na Bielorrússia

Lukashenko toma posse em segredo, polícia usa canhões de água em protesto em Minsk

23 set, 2020 - 20:03 • Lusa

Confrontado com um inédito movimento popular de contestação pós-eleitoral desde 9 de agosto, Alexander Lukashenko prestou juramento hoje em segredo para um sexto mandato como Presidente da Bielorrússia.

A+ / A-

A polícia bielorrussa utilizou esta quarta-feira canhões de água para dispersar milhares de manifestantes que se reuniram no centro de Minsk após a tomada de posse, à porta fechada, do Presidente Alexander Lukashenko, confrontado com um movimento de contestação histórico.

Segundo reporta a agência de notícias France-Presse (AFP), as forças da ordem começaram a dispersar os vários milhares de manifestantes que se juntaram na Avenida dos Vencedores, no centro da capital da Bielorrússia, tendo procedido a dezenas de detenções.

Alexander Lukashenko, confrontado com um inédito movimento popular de contestação pós-eleitoral, prestou juramento hoje em segredo para um sexto mandato, antes de proclamar que a “revolução” pretendida pelos seus adversários fracassou.

Para os opositores e os media independentes, esta cerimónia, que deveria ocorrer legalmente antes de 09 de outubro, foi organizada em segredo para não servir de catalisador a uma nova grande manifestação das oposições.

Segundo dados oficiais, Lukashenko foi reeleito com 80,1% dos votos nas eleições de 09 de agosto, resultado não reconhecido pela oposição ou pelo Ocidente e que desencadeou a maior vaga de protestos da história pós-soviética na Bielorrússia.

Após a posse, a oposição bielorrussa apelou aos protestos por tempo indeterminado.

“Nunca aceitaremos as fraudes e exigimos novas eleições”, disse Pavel Latushko, um dos líderes da oposição bielorrussa, numa mensagem publicada na rede social Telegram.

Latushko, ex-ministro da Cultura e membro do conselho de coordenação para a transferência pacífica do poder na Bielorrússia (entidade criada pela oposição), acrescentou que esta plataforma da oposição apela a todos a “uma ação de desobediência indefinida”.

A Bielorrússia tem sido palco de várias manifestações desde 09 de agosto.

Nos primeiros dias de protestos, a polícia deteve cerca de 7.000 pessoas e reprimiu centenas, suscitando protestos internacionais e ameaça de sanções.

Os Estados Unidos, a União Europeia (UE) e diversos países vizinhos da Bielorrússia rejeitaram a vitória eleitoral de Lukashenko e condenaram a repressão policial, exortando Minsk a estabelecer diálogo com a oposição.

A Alemanha já reagiu à tomada de posse de Lukashenko e afirmou que não a reconhece por “falta de legitimidade democrática”.

“Não foram preenchidas as exigências mínimas para eleições democráticas”, denunciou em conferência de imprensa o porta-voz do Governo alemão, Steffen Seibert, acrescentando que as contestadas eleições presidenciais de 09 de agosto na Bielorrússia “não foram nem justas nem livres”.

O Governo alemão apelou ainda, através do seu porta-voz, à “libertação de todos os presos políticos” e exortou as autoridades bielorrussas a prescindirem do uso da força contra os manifestantes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.