Tempo
|
A+ / A-

Montepio avança com “plano alargado” de saída de trabalhadores, dizem sindicatos

23 set, 2020 - 22:20 • Lusa

As três estruturas sindicais consideraram “muito preocupante” o plano de reestruturação apresentado pelo Banco Montepio e aconselham os trabalhadores a não assinar qualquer acordo ou documentos sem se aconselharem junto dos sindicatos.

A+ / A-

O Montepio vai avançar com um “plano alargado” de saída de trabalhadores, segundo o Sindicato Nacional dos Quadros Técnicos Bancários, o Sindicato dos Bancários do Norte e o Sindicato Independente da Banca, que esta quarta-feira se reuniram com a administração executiva.

Em comunicado, os três sindicatos disseram que se reuniram esta quarta-feira com o presidente da Comissão Executiva do Banco Montepio, Pedro Leitão, o qual “apresentou um projeto de reestruturação que contempla um plano alargado de reformas antecipadas e de rescisões de contratos de trabalho por mútuo acordo que irá decorrer até 2021”, mas sem quantificar quantos funcionários irão sair da entidade bancária.

As três estruturas sindicais consideraram “muito preocupante” o plano de reestruturação apresentado pelo Banco Montepio e aconselham os trabalhadores a não assinar qualquer acordo ou documentos sem se aconselharem junto dos sindicatos.

O banco Montepio teve prejuízos de 51,3 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, que comparam com os lucros de 3,6 milhões de euros do mesmo período de 2019, tendo justificado com as imparidades que constituiu (109,4 milhões de euros) para fazer face a perdas de crédito decorrentes da crise desencadeada pela Covid-19.

No final de junho, o grupo Banco Montepio tinha 3.962 trabalhadores, mais 25 do que em junho passado. Na rede doméstica reduziu uma agência, tendo em junho 328 sucursais.

O Banco Montepio – detido pela Associação Mutualista Montepio Geral – já tinha anunciado em junho o fecho de 31 balcões até final do ano.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.