Tempo
|
A+ / A-

Vaticano condena todas as formas de eutanásia e suicídio assistido

22 set, 2020 - 11:32 • Aura Miguel

O documento aprovado pelo Papa destina-se, sobretudo “aos que estão em contacto com os doentes nas fases críticas e terminais".

A+ / A-

O Vaticano condena todas as formas de eutanásia e suicídio assistido, com a publicação de uma carta doutrinal pela Congregação para a Doutrina da Fé.

“Samaritanus bonus” - "O Bom Samaritano" - é o título do documento que traz esclarecimentos morais e de índole prática sobre como assistir as pessoas em sofrimento e fim de vida.

O documento aprovado pelo Papa destina-se, sobretudo “aos que estão em contacto com os doentes nas fases críticas e terminais (familiares ou os tutores legais, capelães hospitalares, ministros extraordinários da Eucaristia e agentes de pastoral, voluntários e profissionais da saúde) e aos próprios doentes”.

O texto reafirma a proibição da eutanásia e do suicídio assistido, considerados como crimes contra a vida humana e “um ato intrinsecamente mau, em qualquer ocasião ou circunstância”. Por isso, “a eutanásia é um ato homicida que nenhum fim pode legitimar e que não tolera nenhuma forma de cumplicidade ou colaboração, ativa ou passiva”. O mesmo se diga do suicídio assistido, uma vez que “tais práticas jamais são uma autêntica ajuda ao doente, mas uma ajuda a morrer. “

A carta “Samaritanus boinus”, divide-se em várias partes e pontos de reflexão doutrinal, como “a obrigação moral de excluir a obstinação terapêutica”, “os cuidados básicos: o dever de alimentação e hidratação”, “os cuidados paliativos”, “o acompanhamento e o cuidado em idade pré-natal e pediátrica”, ou “a reforma do sistema educativo e da formação dos profissionais da saúde”.

No ponto relativo à “objeção de consciência por parte dos profissionais da saúde e das instituições sanitárias católicas”, o documento admite poder-se “chegar à situação de dever desobedecer à lei, para não acrescentar injustiça a injustiça” e acrescenta que “os profissionais da saúde não devem hesitar a pedi-la como direito próprio e como contribuição específica ao bem comum.”

“Tudo isto”, conclui o documento, “requer uma tomada de posição clara e unitária por parte das Conferências Episcopais, das Igrejas locais, assim como das comunidades e das instituições católicas para tutelar o próprio direito à objeção de consciência nos contextos legislativos que prevêem a eutanásia e o suicídio".

Pode ler aqui entrevista sobre o documento ao prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, cardeal Luis Ladaria.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.