Tempo
|
A+ / A-

Reveja as cerimónias fúnebres de D. Anacleto Oliveira, bispo de Viana do Castelo

22 set, 2020 - 15:00

Missa exequial foi presidida pelo arcebispo primaz de Braga, D. Jorge Ortiga. A diocese de Viana do Castelo apelou aos fiéis que participem na celebração através de meios digitais, para evitar ajuntamentos na Sé de Viana.

A+ / A-

As exéquias do bispo D. Anacleto Oliveira, vítima de um acidente de viação na última sexta-feira, iniciaram-se esta terça-feira.

As portas da Sé Catedral de Viana do Castelo abriram às 8h00 da manhã, para a oração livre e espontânea dos fiéis que, segundo uma entrada controlada e condicionada ao espaço disponível, puderam velar os restos mortais de D. Anacleto Oliveira.

A partir das 15h00, o arcebispo primaz de Braga, D. Jorge Ortiga, celebrou a missa exequial, na Sé Catedral.


D. Anacleto Oliveira foi alguém que se deu por completo, um servo ao serviço do outro, disse D. Jorge Ortiga na homilia da missa exequial. O arcebispo de Braga apelou a uma conversão ao Evangelho.

“A Igreja necessita de se converter ao Evangelho, hoje mais do que nunca, compreendendo esse Evangelho na sua autenticidade e, sobretudo, vivendo-o, no anúncio e na transparência. O Papa Francisco fala de transbordamento, deixar-se possuir pela palavra para a colocar no mundo como semente”, declarou.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, marcou presença nas cerimónias e foi lida uma mensagem do Papa Francisco.

O administrador da diocese de Viana do Castelo, monsenhor Sebastião Pires Ferreira, apelou ao fiéis que acompanhem a cerimónia através de meios digitais, de forma a evitar ajuntamentos na Sé de Viana durante as cerimónias fúnebres. Ainda assim, algumas dezenas de pessoas estiveram no exterior da Sé, com máscaras de proteção e respeitando a distância física por causa da Covid-19.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.