Tempo
|
A+ / A-

Mensagem do Papa. D. Anacleto Oliveira foi “autêntica testemunha do Evangelho”

22 set, 2020 - 18:11 • Ecclesia

Francisco lamenta “trágico acidente” que vitimou o bispo de Viana do Castelo.

A+ / A-

O Papa enviou mensagem para a celebração das exéquias de D. Anacleto Oliveira, lamentando o “trágico acidente” que vitimou o bispo de Viana do Castelo, recordando como “autêntica testemunha do Evangelho”.

O texto foi lido por D. Ivo Scapolo, núncio apostólico em Portugal, no início da celebração que decorre na catedral do Alto Minho.

“Consternado pelo trágico acidente que vitimou D. Anacleto, o Santo Padre apresenta sentidas condolências e assegura viva solidariedade ao clero e fiéis da Diocese de Viana do Castelo e também à Diocese de Leiria-Fátima, como à sua família enlutada”, refere.

O Papa reza por um “zeloso pastor, que foi autêntica testemunha do Evangelho no meio do seu povo, apontando a senda da verdade na caridade e do serviço à comunidade”.

A mensagem, enviada através do secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, exorta a sua comunidade diocesana a seguir o rasto evangélico por ele deixado, sabendo que não caminha sozinha, mas com Cristo, seu Senhor”.

Francisco concedeu aos fiéis em luto pelo bispo defunto e a quantos participam na celebração das exéquias a sua bênção apostólica, “como sinal de sincera participação no sofrimento comum”.

A missa foi presidida por D. Jorge Ortiga, arcebispo de Braga e responsável pela província eclesiástica em que se integra a Diocese de Viana do Castelo.


O espaço no interior da Sé foi reservado aos bispos, padres, autoridades, diáconos, acólitos e seminaristas, além do grupo coral e orquestra, além dos familiares de D. Anacleto Oliveira.

O acolhimento dos restos mortais, na última noite, teve caráter reservado, sem quaisquer celebrações públicas.

Hoje, a Catedral abriu portas às 08h00 para a oração livre dos fiéis que, segundo uma entrada controlada e condicionada ao espaço disponível, até às 11h30, altura em que encerrou para desinfeção.

O administrador diocesano pediu que os sinos das igrejas paroquiais tocassem pelas 15h00, no início da Missa de exéquias, “como sinal de convite ao recolhimento”.

“A convocatória que persisto em fazer será, por isso, para que, na hora da Concelebração Eucarística, liguem as redes de comunicação social, com o fim de acompanhar da melhor forma possível as cerimónias fúnebres, que serão transmitidas, em direto, pela Rádio Renascença, pelo Facebook da Diocese e da Viana TV”, escreveu mons. Sebastião Pires Ferreira.

D. Anacleto Oliveira faleceu na última sexta-feira, aos 74 anos de idade, na sequência de um despiste de automóvel, na Autoestrada 2 (A2) perto de Almodôvar; o bispo era o único ocupante da viatura.

Na quarta-feira, os restos mortais de D. Anacleto Oliveira estarão em câmara ardente na Catedral da Diocese de Leiria-Fátima a partir das 10h00; às 15h00 o cardeal D. António Marto preside à Missa Exequial, antes da sepultura no cemitério de Cortes, terra natal do falecido bispo.

“Nesta celebração terão prioridade de participação os sacerdotes e os familiares do defunto, para se garantir as precauções de saúde pública determinadas pelas autoridades. Após a celebração, a sepultura será no cemitério das Cortes, terra natal de D. Anacleto”, informou a Diocese de Leiria-Fátima, através do seu site.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.