Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Hospitalização privada não foi consultada para o Plano de Saúde Outono-Inverno

21 set, 2020 - 22:23 • José Carlos Silva , Filipe d'Avillez

Esta segunda-feira, a ministra Marta Temido admitiu a possibilidade de se ativarem protocolos com os hospitais privados se for necessário, mas estes não foram consultados na elaboração do plano.

A+ / A-

Veja também:


A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada, não foi tida nem achada na elaboração do Plano de Saúde Outono Inverno que foi tornado público esta segunda-feira.

A revelação é feita pelo presidente da associação, Óscar Gaspar, que não esconde a sua surpresa por os hospitais privados estarem de fora do plano.

“Os hospitais privados e nomeadamente a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada não foi contactada para fazer este plano”, afirmou, contactado pela Renascença.

“Quem elaborou este plano reconheceu que não era necessário recorrer aos hospitais privados. Nós conhecemo-lo hoje pela comunicação social. Pela primeira leitura que fizemos não há referências aos hospitais privados e, portanto, tanto quanto parece é um plano para o SNS e não um plano para o sistema de saúde, como eu achava que deveria ser”, diz ainda Óscar Gaspar.

Contudo, Marta Temido reconheceu esta mesma noite, em entrevista à RTP, que o Governo continua a manter viva a possibilidade de ativar os protocolos com os privados, como chegou a ser equacionado na primeira fase do combate à pandemia, mas acabou por não ser necessário.

O plano que o Governo apresentou esta segunda-feira inclui a criação de uma “task-force” de resposta "não-Covid", a existencia de hospitais “Covid-free”, o aumento da testagem e uma atenção especial às pessoas com dificuldades respiratórias.

O plano, segundo o Governo, será reajustado a cada dois meses.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.