Tempo
|
A+ / A-

Habitação

Lisboa abre segundo concurso do programa Renda Segura

22 set, 2020 - 20:46 • Lusa

Concurso, que envolve casas arrendadas pela autarquia a privados e depois subalugadas no programa de Renda Acessível, arranca esta quarta-feira e termina a 31 de outubro.

A+ / A-

A Câmara de Lisboa vai abrir esta quarta-feira o segundo concurso do programa Renda Segura, em que a autarquia arrenda casas a privados e depois subarrenda-as no programa de Renda Acessível, anunciou o presidente do município.

Durante uma intervenção esta terça-feira à tarde na Assembleia Municipal de Lisboa, Fernando Medina adiantou que o novo concurso ficará aberto até 31 de outubro.

“Vamos ao mercado arrendar casas, para depois arrendar essas casas a um preço mais acessível às famílias”, salientou.

No primeiro concurso do Renda Segura, que terminou no início de julho, a Câmara arrendou 177 casas, a um valor médio de 723 euros, das quais 45 eram provenientes do alojamento local e 83 eram casas mobiladas, indicou na altura a autarquia.

Através do Renda Segura, a Câmara Municipal de Lisboa pretende arrendar casas a proprietários privados e subarrendá-las no Programa de Renda Acessível, em que os contratos têm de ser de duração igual ou superior a cinco anos.

No primeiro concurso do Renda Segura foram apresentadas candidaturas de imóveis em todas as 24 freguesias da cidade de Lisboa, com especial incidência em Santa Maria Maior (21 imóveis), São Vicente (21), Ajuda (13) e Arroios, Beato e Penha de França (10 cada freguesia), revelou ainda a autarquia.

Em termos de tipologia dos 177 imóveis, a maioria eram T2, com 72 casas, seguindo-se T1, com 42 habitações, T3 (36), T0 (15), T4 (11) e T5 (01), também segundo os dados avançados pela Câmara Municipal de Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.