Tempo
|
A+ / A-

Lisboa

Aulas do 1.º ciclo em escola das Laranjeiras suspensas "nos próximos dias"

20 set, 2020 - 21:03 • Lusa

Aulas suspensas devido à falta de funcionários em número suficiente, já que um destes testou positivo para a covid-19 e, em sequência, outras três vão ser testadas e ficar em isolamento.

A+ / A-

As aulas do 1.º ciclo na escola pública das Laranjeiras, em Lisboa, foram suspensas, devido à falta de funcionários em número suficiente, já que um destes testou positivo para a covid-19.

De acordo com o Agrupamento de Escolas das Laranjeiras, numa nota enviada hoje ao final da tarde aos encarregados de educação dos alunos da Escola Básica1/Jardim de Infância (EB1/JI) das Laranjeiras, a que a Lusa teve acesso, “o 1.º ciclo da EB1/JI das Laranjeiras não vai poder abrir nos próximos dias”.

“Esta situação deve-se ao facto de não haver assistentes operacionais (AO) em número suficiente, uma vez que uma AO testou positivo à covid-19 e em sequência outras três vão ser testadas e ficar em isolamento”, lê-se na nota.

Segundo o agrupamento, “a situação vai sendo avaliada dia a dia”. “Assim que tenhamos AO em número suficiente para abrir a escola, informá-lo-emos”, garante o agrupamento.

Além de as aulas do 1.º ciclo ficarem suspensas, também “o serviço de CAF [Componente de Apoio à Família] para o 1º ciclo não vai poder funcionar”.

A escola explica aos encarregados de educação que, após ter sido informada do resultado do teste e ter comunicado com a delegada de saúde do Centro de Saúde Sete Rios, que decretou que “os contactos do caso positivo (3 colegas de trabalho da assistente operacional), classificados como de alto risco, deverão ficar em isolamento profilático durante 14 dias desde a última exposição”, foi contactada a Câmara Municipal de Lisboa para pedir a “colocação/deslocação de algumas AO para a escola”.

A autarquia informou o agrupamento que “não tem AO que possa deslocar para colmatar a situação”.

As aulas dos alunos do 1.º ciclo da EB1/JI das Laranjeiras começaram na quinta-feira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Observador
    20 set, 2020 Portugal 22:26
    Pode ser que agora percebam que numa escola não há só "alunos" e "crianças", e que quem mantém a escola a funcionar, são Assistentes Operacionais - vulgo "contínuos" - alguns já com idade e doenças, todos a ganhar uma bagatela, e a classe de professores mais envelhecida da Europa, cheia de depressões, hipertensão, diabetes, asma, bronquite, etc. "Tudo" foi feito para assegurar a segurança das "crianças", mas acho que se esqueceram um bocado daqueles que realmente mantêm a Escola aberta, e esses não são nem a Temido, nem a Graça, nem o ministro da Educação. São os "contínuos" e os "profs".