Tempo
|
A+ / A-

Óbito

Bispo de Bragança recorda “com profunda gratidão” trabalho de D. Anacleto Oliveira

19 set, 2020 - 09:57 • Olímpia Mairos

D. Anacleto Oliveira, bispo de Viana do Castelo, morreu num acidente de automóvel na sexta-feira. Autarquia decretou dois dias de luto.

A+ / A-

D. José Cordeiro presidiu, neste sábado de manhã, à eucaristia no santuário de Nossa Senhora das Graças, em Bragança, e rezou em sufrágio do "irmão Bispo D. Anacleto Oliveira".

“Na tristeza da inesperada separação, dou graças a Deus pelo dom da vida e do ministério do irmão e amigo D. Anacleto”, afirmou o bispo de Bragança.

Recordando a última vez que estiveram juntos, D. José Cordeiro sublinhou o “precioso trabalho” de D. Anacleto.

“O nosso último encontro foi no passado dia 7, em Fátima, para a reunião da Comissão Episcopal de Liturgia e Espiritualidade com o Secretariado Nacional de Liturgia, à qual D. Anacleto presidiu, inaugurando o triénio pastoral para o qual tinha sido eleito pela CEP [Conferência Episcopal Portuguesa] em junho”, lembrou.

“Com profunda gratidão reconhecemos o precioso trabalho ao serviço da Palavra de Deus e da Liturgia da Igreja. O nosso S. Bartolomeu dos Mártires o acolha para celebrar a Liturgia da Páscoa eterna”, finalizou.

D. Anacleto Oliveira morreu na sexta-feira de manhã, na sequência de um despiste de automóvel ocorrido na Autoestrada 2 (A2), perto de Almodôvar.

O óbito foi declarado no local e o corpo encaminhado para o serviço de Medicina Legal do hospital de Beja.

Muitas têm sido as reações de pesar pelo falecimento do bispo de Viana do Castelo. O Presidente, Marcelo Rebelo de Sousa, mostrou-se “chocado e pesaroso”. O Cardeal Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, sublinha que “o que é bom nunca se perde”.

A Câmara Municipal de Viana do Castelo já decretou dois dias de luto. Aguardam-se informações sobre as cerimónias fúnebres.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.