Tempo
|
A+ / A-

"Operação Lex"

Marcelo "feliz" por Justiça estar "a fazer tudo para corresponder à exigência dos cidadãos"

18 set, 2020 - 20:06 • Lusa

Presidente da República escusou-se a comentar as acusações de três juízes e do presidente do Benfica na "Operação Lex".

A+ / A-

O Presidente da República escusou-se esta sexta-feira a comentar casos concretos da Justiça, ao ser questionado sobre os mais recentes desenvolvimentos na acusação da "Operação Lex", que tem como arguidos três magistrados portugueses e o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira.

“Como sabem, eu nunca comento, porque o Presidente da República não podem nem deve comentar casos específicos de Justiça, mas pode dizer uma coisa, que já disse várias vezes e hoje repito: fico feliz por, durante o meu mandato, ter sido possível assistir, qualquer que seja o veredicto final – e como sabem não há decisão final até trânsito em julgado –, a passos da justiça portuguesa em inúmeros casos relevantes em termos de preocupação da opinião pública ou de reflexos sociais”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa em Olhão.

À margem da inauguração de uma escola na cidade e antes de jantar com os autarcas do Algarve, Marcelo Rebelo de Sousa destacou que “foi assim na operação Marquês, no caso BES, em Tancos, está a ser agora no caso da operação Lex, e em múltiplos casos”.

Marcelo Rebelo de Sousa congratulou-se por não se terem confirmado os temores de quem “temia que em casos mais complexos, como megaprocessos, ou em casos mais sensíveis, a justiça estava bloqueada, não ia avançar porque não podia, não queria ou não era capaz”, situação que, a verificar-se, seroa “um mau sinal” para o estado de direito.

“Eu como presidente da República fico feliz - independentemente do que suceda depois na tramitação destes processos - por se poder demonstrar que as instituições judiciárias – como as educativas, as sanitárias e as de solidariedade social – estão a fazer tudo para corresponder aquilo que é uma exigência dos cidadãos e do estado de direito democrático, que é que haja justiça e haja justiça o mais rápido possível”, acrescentou.

Instado pelos jornalistas a comentar a retirada dos nomes do António Costa, primeiro-ministro, e Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, da lista de honra da recandidatura de Luis Filipe Vieira à presidência do Benfica, Marcelo Rebelo de Sousa respondeu disse “não comentar casos de justiça” e não ter “nada a dizer sobre essa matéria”

Ao ser questionado sobre o teor da conversa que teve com o primeiro-ministro, na quinta-feira, no encontro semanal com o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa também respondeu que não iria revelar o teor da mesma.

“Não conto as conversas que tenho com o senhor primeiro-ministro, o presidente da Assembleia da República, os líderes parlamentares”, afirmou, assegurando que também não toma qualquer registo escrito ou áudio desses encontros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.