Tempo
|
A+ / A-

CIP

Patrões querem descida da carga fiscal no próximo ano

17 set, 2020 - 17:58 • Sandra Afonso

Confederação Empresarial de Portugal avança com várias propostas para aliviar a fiscalidade das empresas em 2021.

A+ / A-

Sem economia não há empresas que paguem impostos, lembra a Confederação Empresarial de Portugal (CIP), razão pela qual avançou esta quinta-feira com várias propostas para aliviar a fiscalidade das empresas em 2021.

Desde logo, os patrões querem que o próximo Orçamento do Estado (OE 2021) recupere a descida do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas (IRC), para 19%. Óscar Gaspar, da direção da CIP, defende ainda a revisão da derrama e da tributação autónoma.

"Entendemos que deve existir um regime geral de taxas e um regime geral das contribuições. Por outro lado, tendo em conta o peso da realidade das empresas, instamos o Governo a retomar o calendário para a redução da taxa do IRC para 19%."

A Confederação Empresarial avança ainda com uma proposta que diz ser "inovadora", e que "já está a ser implementada em muitos países da Europa": a de que as empresas sejam reembolsadas pelos prejuízos deste ano, no contexto da pandemia de Covid-19, através da incorporação destes resultados nas contas de anos anteriores.

"A grande maioria das empresas terá prejuízos neste ano de 2020 e portanto a nossa proposta é que o prejuízo deste ano possa ser refletido nas contas de anos anteriores", explica Óscar Gaspar. "Perante este mecanismo, é possível as empresas serem reembolsadas do imposto que, no ano passado, tiveram de pagar a mais, porque se tivesse havido a consolidação com os prejuízos deste ano teriam pago bastante menos. E em termos plurianuais, o impacto será nulo para as contas públicas."

O pacote de propostas hoje apresentado para o OE 2021 inclui medidas temporárias e permanentes. António Saraiva, presidente da CIP, defende que é preciso coragem e soluções criativas e disruptivas nas contas do próximo ano.

A CIP defende ainda mais apoios à tesouraria das empresas, como a conversão das linhas Covid em apoios a fundo perdido, mais proteção através dos seguros de crédito, um melhor ambiente de negócios com pagamentos a tempo e horas e mais incentivos à formação e requalificação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • manuel ferraz
    20 set, 2020 15:12
    Este Sr. António se pudesse os trabalhadores andavam todos descalços e receber 200€ . Cada vez que fala é para pedir benefes ás empresas e castigar os trabalhadores. Até da dó ouvi-lo que tristeza.
  • Ex-Sindicalista
    17 set, 2020 Av Liberdade 19:40
    E não se esqueça também de pedir uma redução salarial, pondo o salário mínimo em 150€ e aumentando o horário de trabalho para o Sol a sol, todos os dias, exceto ao domingo onde vão à missa. Mas quando saírem da Missa, toca a andar para a empresa. Mas, honra lhe seja feita, diz logo ao que vem e o sabujo que é. Enquanto outros andam para aí armados em "amigos" dos trabalhadores e na primeira oportunidade, se isso lhes trouxer benefícios, então que se lixem os trabalhadores