|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Papa lamenta que os cuidadores não tenham reconhecimento nem remuneração adequados

16 set, 2020 - 13:35 • Lusa

Francisco voltou a parar hoje junto aos fiéis presentes, todos com máscara, para trocar algumas palavras ou receber presentes sem se distanciar muito.

A+ / A-

O Papa Francisco lamentou esta quarta-feira que os cuidadores de idosos ou de pessoas mais fracas "não recebam o reconhecimento ou a remuneração que merecem".

Perante as quase 500 pessoas reunidas no pátio de San Dámaso, onde se realiza a audiência geral devido às medidas de segurança face à pandemia, o Papa Francisco refletiu sobre a necessidade de voltar à contemplação para proteger a natureza.

Francisco voltou a parar hoje junto aos fiéis presentes, todos com máscara, para trocar algumas palavras ou receber presentes sem se distanciar muito.

O pontífice iniciou a sua catequese explicando que nesta época de pandemia “devemos apoiar aqueles que cuidam dos mais fracos, dos enfermos e dos idosos”.

“Essas pessoas, bem definidas pelo termo 'cuidadores', desempenham um papel essencial na sociedade atual, embora muitas vezes não recebam o reconhecimento ou a remuneração que merecem”, afirmou.

O Papa defendeu ainda que o cuidado deve abranger a "nossa casa comum: a Terra e cada uma de suas criaturas".

Francisco garantiu que o melhor antídoto para esse abuso da casa comum é a contemplação.

“Quando alguém não aprende a parar para perceber e valorizar o belo, não é estranho que tudo se torne para ele objeto de uso e abuso”, explica.

Na sua mensagem Francisco lamentou também que o trabalho de cuidado da natureza e da "revolução pacífica" dos movimentos indígenas e populares esteja a ser prejudicado e lamentou que nem sempre sejam apreciados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.