|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Sinais de vida em Vénus? Astrónomos detetam molécula rara nas nuvens do planeta

14 set, 2020 - 16:16 • Redação

Esta molécula, detetada nas nuvens altas do segundo planeta do sistema solar, indica que o vizinho inóspito da Terra pode ser habitado por micróbios. Descoberta tem "mão" portuguesa.

A+ / A-

Uma equipa internacional de astrónomos anunciou, esta segunda-feira, que foi identificada na atmosfera Vénus uma molécula rara - a fosfina - indicadora da existência de vida.

Esta molécula, composta por um átomo de fósforo e três átomos de hidrogénio, foi detetada nas nuvens altas do planeta, o que indica que o vizinho inóspito da Terra pode ser habitado por micróbios.

O artigo, publicado na revista Nature Astronomy, teve o contributo da portuguesa Clara Sousa Silva, astrofísica molecular que trabalha no Departamento de Ciências da Terra, Atmosféricas e Planetárias do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), nos Estados Unidos.

Para Clara Sousa-Silva, que tem estudado a fosfina desde o doutoramento, "descobrir fosfina em Vénus constitui um verdadeiro bónus".

A investigação juntou ainda investigadores dos Estados Unidos, Reino Unido e Japão.

De acordo com o estudo, a fosfina, na Terra, só pode ser encontrada decorrente de dois processos: ou pela fabricação de forma industrial - é utilizada principalmente em inseticidas - ou pela ação de micróbios que se desenvolvem em ambientes sem oxigénio – chamados anaeróbicos.

O gás, altamente tóxico, pode ser encontrado, por exemplo, nas fezes de animais como pinguins ou em ambientes pobres em oxigénio, como pântanos.

A primeira deteção da molécula em Vénus foi feita com a ajuda do Telescópio James Clerk Maxwell (JCMT), operado pelo Observatório do Leste Asiático no Havai. Foram também usadas 45 antenas do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) – instalação astronómica no Chile.

Os astrónomos consideram esta descoberta bastante significativa, mas reconhecem muito trabalho pela frente para confirmar presença de ”vida”.

É que a atmosfera de Vénus é constituída em cerca de 90% por ácido sulfúrico, o que dificultaria a sobrevivência de micróbios.

"A descoberta levanta muitas questões, tais como é que os organismos poderão sobreviver na atmosfera do planeta vizinho. Na Terra, alguns micróbios conseguem suportar até cerca de 5% de ácido no seu meio, mas as nuvens em Vénus são praticamente só constituídas por ácido", assinala Clara Sousa-Silva, citada em comunicado pelo Observatório Europeu do Sul (OES).

Embora já se tenha teorizado sobre o assunto, a possibilidade de existir vida em Vénus sempre foi minimizada pela ciência, já que o planeta reúne condições difíceis à existência de vida: tem uma atmosfera composta de 96% de dióxido de carbono e uma pressão ao nível do solo 92 vezes maior que a da Terra – ou o equivalente a estar quase um quilómetro abaixo do nível do mar. Já as temperaturas, na superfície, rondam os 460ºC.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.