Tempo
|
A+ / A-

CIP

Maioria das empresas diz que apoios Covid-19 "estão aquém ou muito aquém" do necessário

14 set, 2020 - 19:35 • Lusa

Inquérito realizado em conjunto pela Confederação Empresarial de Portugal e o Marketing FutureCast Lab do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE) envolveu 658 empresas.

A+ / A-

Veja também:


A grande maioria das empresas (79%) continua a considerar que os apoios aprovados pelo Governo para combater a crise causada pela pandemia estão “aquém ou muito aquém” do que necessitam, revela um inquérito apresentado esta segunda-feira pela CIP.

Os resultados do inquérito realizado em conjunto entre a CIP - Confederação Empresarial de Portugal e o Marketing FutureCast Lab do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), no âmbito do projeto Sinais Vitais, tiveram em conta a resposta de 658 empresas maioritariamente dos setores da indústria e energia, serviços e comércio, sendo 75% micro ou pequenas empresas.

O documento refere que 42% das empresas pediram até 04 de setembro financiamento bancário e 75% já recebeu o empréstimo, enquanto 44% não pediu nem pensa pedir dinheiro ao banco e 14% pensa vir a pedir.

Até ao início do mês, 44% das empresas responderam que já recorreram ao ‘lay-off’ simplificado, mas nessa altura só 12% dos respondentes se encontrava em ‘lay-off’ ou em regimes de apoio extraordinário à retoma progressiva da atividade.

Destes 12%, a maioria (60%) estava abrangido pelo apoio extraordinário à retoma, 37% pelo ‘lay-off’ simplificado e apenas 3% pelo ‘lay-off’ tradicional (previsto no Código do Trabalho).

Apenas 17% de empresas recorreram, por sua vez, ao incentivo extraordinário à normalização da atividade empresarial, sendo que a maioria (64%) optou pela modalidade dos seis meses.

A opinião global é desfavorável à substituição do ‘lay-off’ simplificado pelo apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade, com 32% das empresas a manifestarem-se “sem opinião”.

O número de empresas em pleno funcionamento aumentou 20 pontos percentuais em dois meses para 84% em setembro e as parcialmente encerradas diminuíram para menos de metade (para 14%), enquanto 2% se mantiveram fechadas.

O barómetro mostra ainda que 19% das empresas viram o prazo de pagamento aumentar (em média, subiram 40 dias) em agosto face ao mês homólogo enquanto os prazos de recebimento caíram em 33% das empresas, com uma média de 40 dias, revelando que “a situação de tesouraria está a deteriorar-se”.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    15 set, 2020 Lisboa 11:27
    Apoio, não é sustento. Apoios a 100% também muito boa gente queria. Vendo bem, isto são dinheiros públicos a apoiar negócios privados. Contentem-se com o que têm, que já não é nada mau.