Tempo
|
A+ / A-

Vaticano

Papa pede que políticos ouçam população e respeitem "liberdades civis"

13 set, 2020 - 13:01 • Ecclesia

Francisco referiu-se à onda de protestos em vários países e evocou incêndios que atingiram campo de refugiados em Moria.

A+ / A-
Papa pede que políticos ouçam população e respeitem "liberdades civis"
Papa pede que políticos ouçam população e respeitem "liberdades civis"

O Papa disse, este domingo, no Vaticano, que acompanha as manifestações de crescente “mal-estar” da sociedade civil, em vários países, perante situações políticas e sociais que considera “particularmente críticas”.

Francisco convidou as pessoas a manifestarem-se de “forma pacífica, sem ceder às tentações da agressividade e da violência”.

A intervenção, após a recitação do ângelus, acontece num momento em que se verificam manifestações públicas de protesto em locais como a Bielorrússia, Colômbia, a ilha grega de Lesbos ou Paris, com o regresso dos “coletes amarelos”.

O Vaticano enviou a Minsk, na última sexta-feira, o “número 2” da sua diplomacia, D. Paul Richard Gallagher, para se encontrar com autoridades civis e responsáveis católicos.

A visita acontece um mês após o início das manifestações na Bielorrússia contra a reeleição do presidente Alexandre Lukashenko para um sexto mandato, num escrutínio considerado fraudulento pela oposição.

Sem referir-se diretamente a qualquer situação específica, o Papa pediu “a todos os que têm responsabilidades públicas e de governo que ouçam a voz dos seus concidadãos e que vão ao encontro das suas justas aspirações, assegurando o pleno respeito dos Direitos Humanos e das liberdades civis”.

Francisco convidou ainda as comunidades católicas a trabalharem “em favor do diálogo, sempre em favor do diálogo, e em favor da reconciliação”.

A intervenção, perante milhares de peregrinos reunidos na Praça de São Pedro, evocou ainda os incêndios que deflagraram às primeiras horas da manhã de quarta-feira, no maior campo de refugiados na Grécia, em Moria, na ilha de Lesbos, deixando “milhares de pessoas sem um refúgio, ainda que precário”.

“Manifesto solidariedade e proximidade a todas as vítimas destes dramáticos acontecimentos”, disse.

Francisco lembrou a sua visita a esta ilha, em abril de 2016, e o apelo conjunto que lançou com o patriarca ecuménico de Constantinopla, Bartolomeu, e o arcebispo ortodoxo de Atenas, Jerónimo II, para “assegurar um acolhimento humano e digno” aos migrantes, refugiados e requerentes de asilo na Europa”.


"Lembra-te do teu fim e deixa de ter ódio"

O Papa disse ainda que os católicos devem perdoar sempre, sem guardar rancor, seguindo o ensinamento de Jesus, admitindo que “não é fácil” colocar em prática esta intenção.

“Lembra-te do teu fim e deixa de ter ódio”, apelou Francisco, citando uma passagem do livro bíblico de Ben-Sirá.

O pontífice destacou que o perdão não é apenas algo “momentâneo”, mas uma atitude contínua, “contra este rancor, este ódio que regressa” como uma “mosca inoportuna no verão”.

“Não podemos esperar o perdão de Deus para nós mesmos se não concedermos o perdão ao nosso próximo. É uma condição. Pensa no fim, no perdão de Deus, e deixa de ter ódio”, declarou.

A intervenção partiu da passagem do Evangelho que é lido, este domingo, nas celebrações eucarísticas em todo o mundo, a “parábola do rei misericordioso”, que perdoa uma dívida mas vê o perdoado agir de forma contrária com um companheiro.

“Na atitude divina, a justiça é permeada pela misericórdia, enquanto a atitude humana se limita à justiça”, indicou.

Jesus exorta-nos a abrirmo-nos com coragem ao poder do perdão, porque nem tudo na vida se resolve com justiça. Sabemos bem disso”.

O Papa convidou a fazer do perdão e da misericórdia um “estilo de vida”, que pode evitar sofrimentos e guerras, “também nas famílias”.

“Quantas famílias desunidas, que não se sabem perdoar”, lamentou.

“É necessário aplicar o amor misericordioso a todas as relações humanas: entre cônjuges, entre pais e filhos, nas nossas comunidades, na Igreja, e também na sociedade e na política”, acrescentou.

No final do encontro de oração, Francisco saudou vários grupos presentes, incluindo uma peregrinação de ciclistas com doença de Parkinson.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.