Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Madeira regista mais seis casos de Covid-19

13 set, 2020 - 19:52 • Lusa

A região chegou a ter vários dias sem casos, mas neste momento contabiliza 187.

A+ / A-

A Madeira contabiliza este domingo mais seis doentes infetados com Covid-19, elevando para 187 os casos na região, revelou o Instituto de Administração da Saúde (IASAÚDE).

"Até ao dia 13 de setembro, foram contabilizadas na Região Autónoma da Madeira 1.647 notificações de casos suspeitos de Covid-19, dos quais 1.460 não se confirmaram", refere aquele organismo que adianta haver agora "seis novos casos positivos a reportar, pelo que a região passa a contabilizar um total cumulativo de 187 casos confirmados de Covid-19".

"Trata-se de seis casos importados identificados na operação de rastreio do aeroporto da Madeira, quatro com proveniência do Reino Unido, um da Alemanha e um da República Checa", refere o boletim epidemiológico, revelando ainda haver "mais um caso recuperado, pelo que a região contabiliza agora 138 casos recuperados de Covid-19".

O IASAÚDE diz serem agora 49 os casos ativos, dos quais 37 são casos importados identificados no contexto das atividades de vigilância implementadas no Aeroporto da Madeira e 12 são casos de transmissão local.

Relativamente ao isolamento dos casos positivos, 23 pessoas cumprem isolamento numa unidade hoteleira dedicada, 25 em alojamento próprio e um doente está hospitalizado na unidade polivalente dedicada à Covid-19 no Hospital Dr. Nélio Mendonça.

Há ainda a reportar duas novas situações que se encontram em estudo pelas autoridades de saúde.

À data, 17.173 pessoas estão a ser acompanhadas pelas autoridades de saúde dos vários concelhos da região, com recurso à aplicação MadeiraSafe, 7.862 destas pessoas estão em vigilância ativa.

Até ao fim de sábado, no laboratório de Patologia Clínica do SESARAM, foram processadas 94.055 amostras para teste à Covid-19. No contexto da operação de rastreio de viajantes nos portos e aeroportos da Madeira e do Porto Santo, há a reportar um total cumulativo de 54.114 colheitas para teste à Covid-19 realizadas até às 16h30 deste domingo.

A pandemia de Covid-19 já provocou pelo menos 921.097 mortos e mais de 28,8 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.867 pessoas dos 63.983 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    14 set, 2020 ILHAVO 09:49
    Acho (!) acrescento: [... para os novos tratamentos e funerais.]
  • José J C Cruz Pinto
    14 set, 2020 ILHAVO 06:28
    E as nossas "inteligências" ainda queriam que houvesse muitos mais com semelhante origem, já não só na Madeira, mas em todas as regiões do País, especialmente no Algarve! E, depois, iriam também culpar os Britânicos, ... não seria assim? Seriam eles os vilões por "terem tido cão", como até agora por "não terem". E, finalmente, com as já reconhecidas dificuldades de rastreamento, alguém sabe ao certo quantos dos crescentes novos casos (em Portugal continental) provieram de Espanha ou foram trazidos por emigrantes para ajuntamentos familiares, por exemplo? [É inegável que não deixar morrer o turismo e a economia é um objectivo nobre e essencial, mas a ânsia excessiva poderá levar-nos a ganhar apenas o necessário para os novos tratamentos.]