|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Sábado às 12h, com repetição domingo às 0h
A+ / A-
Arquivo
Plano Nacional de Combate à Corrupção - Em Nome da Lei
Plano Nacional de Combate à Corrupção - Em Nome da Lei

Em Nome da Lei

Juízes e advogados dizem que estratégia de combate à corrupção deixa de fora elites políticas

12 set, 2020 • Marina Pimentel


O presidente da Associação Sindical dos Juízes e o Bastonário da Ordem dos Advogados unidos nas critícas à Estratégia Nacional de Combate à Corrupção.

A Estratégia Nacional de Combate à Corrupção, para os próximos quatro anos, deixa de fora os mais altos cargos da Administração Pública, e nomeadamente o Governo, os partidos políticos e as autarquias. As críticas ao documento que está em consulta pública são feitas pelo Presidente da Associação Sindical dos Juízes e pelo Bastonário da Ordem dos Advogados, ao programa da Renascença “Em Nome da Lei”.

O juiz desembargador Manuel Soares defende que “nenhuma estratégia séria de combate à corrupção pode passar ao lado das administrações das autarquias, sobre as quais são a maior parte dos processos que correm nos tribunais, nem sobre o financiamento e as campanhas dos partidos políticos”.

O presidente da Associação Sindical dos Juízes considera a questão do financiamento dos partidos “essencialíssima”, admitindo que “todos desconfiamos que são fonte de possível corrupção e tráfico de influências, para que as pessoas que são financiadas mais tarde, quando exercerem cargos públicos, favoreçam as empresas e as entidades que antes lhes pagaram”.

O presidente da Associação Sindical dos Juízes sublinha que a estratégia de prevenção da corrupção apresentado pela ministra da Justiça deixa de fora os decisores políticos. Manuel Soares afirma que “a estratégia é muito virada para as administrações”.

“Mas nós temos processos em tribunal que não são no âmbito das administrações, mas no topo dos decisores políticos, dos ministros e dos primeiros-ministros. Não vale a pena pensarmos em combater a corrupção ao nível intermédio, se deixarmos de fora os mais corruptos, porque não chegamos ao topo”, defendeu.

Também o Bastonário da Ordem dos Advogados considera “essencial estabelecer a transparência nas contas dos partidos para combater a corrupção”. O Governo tinha prometido no grupo de trabalho que iria haver novidades. Mas na estratégia tornada pública” há zero sobre a matéria”. Menezes Leitão considera que “pelo contrário, até se prevê um passo atrás, uma certa atenuação no que a atual legislação já prevê em matéria de combate à corrupção”.

O Bastonário exemplifica: “Quanto à responsabilidade dos titulares de altos cargos políticos e altos cargos públicos, o documento propõe que fiquem de fora da estratégia nacional de combate à corrupção, ao contrário do que hoje acontece, com base num argumento constitucional, que não tem qualquer cabimento”.

Da estratégia que agora está em discussão pública consta também uma alteração legislativa que visa acabar com os megaprocessos, por causa da sua morosidade e do impacto negativo que isso tem na imagem dos tribunais. O documento elaborado por um grupo de trabalho designado pela ministra Francisca Van Dunem, prevê que se estabeleça expressamente na lei a possibilidade de os processos se separarem, quando esteja em causa o cumprimento dos prazos a de duração máxima do inquérito ou da fase de instrução.

O Presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público duvida, no entanto do objetivo. António Ventinhas adverte que “os megaprocessos vão continuar a existir porque há casos em que é impossível fazer a separação”, dando o exemplo das investigações aos grandes grupos económicos com grandes ramificações, com ligações internacionais “.

O magistrado diz que “os megaprocessos vão continuar a existir e defende que têm as costas largas”. António Ventinhas defende que são “o alibi para muita coisa, mas a verdade é que os processos se arrastam não porque têm muitos arguidos, mas porque faltam meios de investigação”. Cita o caso de dois megaprocessos que estiveram parados mais de um ano. Um relativo a um banco, que a Renascença sabe ser o da Caixa Geral de Depósitos, cuja “investigação esteve suspensa durante quase ano e meio porque não havia peritos. E um outro (Operação Lex)” em que, “o Ministério Público esteve um ano à espera de software, para poder aceder ao conteúdo do telemóvel de um dos arguidos”(o ex-juiz Rui Rangel).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José António
    13 set, 2020 Leiria 20:25
    Há décadas e décadas que os políticos vem a fazer as leis com muitos pontos e virgulas para escaparem às malhas da Justiça e só agora é que os Juízes esses superiores divinos “acordaram” como se tanto os Juízes como Advogados e políticos não andassem a comer da mesma gamela, basta ver onde são feitas as leis antes de serem aprovadas na A.R. nos escritórios de advogados em que alguns desses escritórios tem responsáveis políticos muitos que até foram ministros.
  • Cidadao
    13 set, 2020 Lisboa 11:08
    Os políticos fazem as Leis, e claro, nessas Leis enviesadas à partida, montam os alçapões por onde se escapam quando apanhados a fazer o que não devem. Nada de novo. A denuncia foi feita, vejamos o que muda...
  • Ivo Pestana
    12 set, 2020 Funchal 16:06
    E porque será?
  • ze
    12 set, 2020 aldeia 16:04
    Um país tão pequeno,com tantos politicos,claro que eles têm de se salvaguardar.