Tempo
|
A+ / A-

ONU

Demolição de habitações por Israel na Cisjordânia aumentou durante a pandemia

11 set, 2020 - 13:23 • Lusa

Em seis meses, “442 palestinianos ficaram desalojados devido às destruições, mais expostos aos riscos ligados à pandemia”, refere o Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU (OCHA).

A+ / A-

A destruição de estruturas palestinianas pelas autoridades israelitas aumentou na Cisjordânia ocupada durante a pandemia de Covid-19, agravando a precariedade da população, alertou a ONU esta sexta-feira.

Entre março e agosto deste ano, 389 estruturas (habitações, instalações sanitárias, construções ligadas à agricultura) dos palestinianos foram destruídas ou confiscadas, uma média de 65 por mês, indicou na quinta-feira o Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU (OCHA), sublinhando tratar-se da média mensal mais elevada dos últimos quatro anos.

Em seis meses, “442 palestinianos ficaram desalojados devido às destruições, mais expostos aos riscos ligados à pandemia”, referiu o organismo num comunicado.

“Só em agosto, 205 pessoas foram deslocadas, mais do que em qualquer mês desde janeiro de 2017”, adiantou.

Até ao meio-dia (10:00 em Lisboa) de hoje as autoridades israelitas não tinham feito comentários sobre estas informações.

Israel afirma demolir instalações por falta de licenças, que são “quase impossíveis de obter pelos palestinianos”, segundo o OCHA.

“A destruição de propriedades em território ocupado é proibida pela lei humanitária internacional, a menos que seja absolutamente necessário para operações militares”, lembrou Jamie McGoldrick, coordenador humanitário para os territórios palestinianos.

A Cisjordânia é ocupada pelo exército israelita desde 1967.

“A pandemia mundial aumentou as necessidades e a fragilidade dos palestinianos” e estas “demolições ilegais exacerbam esta fragilidade e devem parar imediatamente”, apelou McGoldrick num vídeo divulgado no ‘site’ do OCHA.

Segundo o último balanço do Ministério da Saúde palestiniano, mais de 27.100 pessoas foram infetadas pelo novo coronavírus, 188 das quais morreram.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+