Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Papa Francisco aparece de máscara pela primeira vez em público

09 set, 2020 - 20:20 • Lusa

Mesmo quando retirou a máscara, o Papa evitou apertar as mãos e beijar crianças, como fazia antes na Praça de São Pedro, no Vaticano.

A+ / A-

Veja também:


O Papa Francisco apareceu esta quarta-feira, pela primeira vez desde o início da pandemia de Covid-19, de máscara de proteção em público, enquanto se deslocava para uma audiência geral.

Seis meses após as tradicionais audiências de quarta-feira gravadas ao vivo na sua biblioteca privada, o Papa retomou esta quarta-feira este encontro na presença de 500 fiéis e ao ar livre.

Francisco colocou a máscara de proteção quando saiu do carro e usou-a durante o percurso até à audiência geral.

Quando retirou a máscara, o Papa evitou apertar as mãos e beijar crianças, como fazia antes na Praça de São Pedro, no Vaticano.

No entanto, aproximou-se dos fiéis que se aglomeravam ao longo da proteção instalada, em vez de permaneceram nas cadeiras espalhadas no local.

Alguns dos fiéis baixaram máscara para tentar cumprimentar o papa, enquanto outros colocaram um presente nas suas mãos, como uma caixa com pastéis ou um boné branco.


Papa denuncia “interesses” políticos e económicos no combate à pandemia
Papa denuncia “interesses” políticos e económicos no combate à pandemia

Antes de iniciar a catequese e após apertar as mãos das autoridades religiosas que participaram na audiência, Francisco recomendou à multidão que "cada um voltasse para sua cadeira" para "evitar o contágio".

O texto desta quarta-feira voltou a centrar-se nas consequências socioeconómicas de um vírus “sem barreiras” e defendeu uma sociedade mais unida ao denunciar aqueles que pretendem tirar “benefícios económicos ou políticos”.

A pandemia de Covid-19 já provocou pelo menos 898.503 mortos e infetou mais de 27,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.849 pessoas das 61.541 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.