Tempo
|
A+ / A-

Papa denuncia “interesses” no combate à pandemia

09 set, 2020 - 10:22 • Aura Miguel

Francisco defende à distribuição justa das vacinas contra a Covid-19. "Uma sociedade saudável é aquela que cuida da saúde de todos.”

A+ / A-
Papa denuncia “interesses” políticos e económicos no combate à pandemia
Papa denuncia “interesses” políticos e económicos no combate à pandemia

O Papa alerta para possíveis negociatas que possam existir com as vacinas contra a Covid-19. Na audiência geral, desta manhã, no Vaticano, Francisco mostrou-se preocupado com possíveis aproveitamentos económicos e políticas da pandemia.

O Papa alerta para possíveis negociatas que possam existir com as vacinas contra a Covid-19. Na audiência geral, desta manhã, no Vaticano, Francisco mostrou-se preocupado com possíveis aproveitamentos económicos e políticas da pandemia.

No arranque da sua intervenção começou por lembrar que a crise provocada pela pandemia atinge todos. “Podemos sair dela melhores se todos juntos procurarmos o bem comum.”

“Infelizmente, estamos a assistir ao surgimento de interesses”, alertou o Santo Padre, na habitual audiência das quartas-feiras.

“Há quem deseje apropriar-se de possíveis soluções, como no caso das vacinas, para depois vendê-las a outros. Algumas pessoas aproveitam-se da situação para fomentar divisões, procurar vantagens económicas ou políticas, gerando ou aumentando os conflitos. Outros, simplesmente não se importam com o sofrimento dos outros, passam adiante e seguem o seu caminho”, exemplificou.

Na sua opinião, a solução passa pelo amor ao bem comum, para que ninguém seja excluído. “A saúde não é apenas individual, mas também um bem público. Uma sociedade saudável é aquela que cuida da saúde de todos”, salientou o Papa, alertando para a necessidade de se construir uma sociedade inclusiva, justa e pacífica - “temos que o fazer sobre a rocha do bem comum”.

“Uma sociedade saudável é aquela que cuida da saúde de todos.”

Francisco deixou também um apelo aos políticos, apesar de “infelizmente, a política muitas vezes não gozar de boa reputação”. Neste contexto, o reafirma que “não nos devemos resignar a esta visão negativa, mas reagir demonstrando com factos que uma boa política é possível, aliás, indispensável, quando coloca no centro a pessoa humana e o bem comum”.

A pandemia de Covid-19 já provocou pelo menos 893.524 mortos e infetou mais de 27,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo o último balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.