Tempo
|
A+ / A-

Refugiados

Incêndio em Moria. Bruxelas garante fundos para transferir menores da ilha de Lesbos

09 set, 2020 - 18:28 • Vasco Gandra, correspondente em Bruxelas

Bruxelas vai financiar a transferência para a Grécia continental e alojamento de cerca de 400 crianças não acompanhadas que permanecem no campo de refugiados de Moria.

A+ / A-
Portuguesa em Moria descreve “cenário pós-apocalíptico” depois de incêndio
Portuguesa em Moria descreve “cenário pós-apocalíptico” depois de incêndio

As instituições da União Europeia - Comissão e Conselho - prometem ajudar as autoridades gregas e as vítimas do incêndio que deflagrou num dos maiores campos de refugiados da Europa, em Moria, na ilha grega de Lesbos, onde se encontram cerca de 13 mil pessoas - e cuja situação se agravou nos últimos meses devido à pandemia e à confirmação de pelo menos 32 casos de Covid-19 entre os migrantes.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, manifestou esta quarta-feira, via Twitter, a solidariedade da instituição e a disponibilidade em apoiar.

Da mesma forma, a comissária dos Assuntos Internos, Ylva Johansson, garantiu que Bruxelas vai financiar a transferência e alojamento para a parte continental da Grécia de cerca de 400 menores não acompanhados que permanecem no campo de refugiados de Moria.

"A prioridade é dar segurança e abrigo a todas as pessoas de Moria”, afirmou ainda a comissária na sua conta da rede social Twitter.

Bruxelas está em contacto com as autoridades gregas para fornecer igualmente apoio material e meios disponibilizados pelos Estados-membros através do Mecanismo Europeu de Proteção Civil, como abrigos e equipamentos sanitários.

Nesse sentido, um dos vice-presidentes da Comissão deslocar-se-á em breve à Grécia para discutir com as autoridades nacionais estas questões.

Também o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, manifestou “solidariedade total” com a ilha grega e garantiu que a União Europeia está “preparada para mobilizar apoio”.
Vários grupos políticos no Parlamento Europeu e ONGs afirmaram igualmente a sua solidariedade para com as vítimas, a população da ilha e os trabalhadores de organizações humanitárias.
Alertam para a necessidade de fornecer ajuda imediata à ilha mas também sublinham que é necessário encontrar soluções duradouras para os milhares de migrantes que se encontram não só nas ilhas gregas mas em outros países como a Itália. Têm defendido um sistema de recolocação pelos vários Estados-membros, uma solução longe de gerar consenso já que vários governos entre os 27 recusam participar numa solução conjunta que passa pelo acolhimento de migrantes.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+