Tempo
|
A+ / A-

"O fim do mundo" vence Prémio Árvore da Vida no IndieLisboa

07 set, 2020 - 10:19 • Ecclesia

Júri destaca uma obra “profundamente humanista, um percurso reflexivo em torno do sentido e do valor da vida, em tempos onde crescem tiques de desprezo e exclusão dos mais frágeis”.

A+ / A-

O filme “O fim do mundo”, realizado por Basil da Cunha, conquistou o Prémio Árvore da Vida, atribuído pelo Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura (SNPC), da Igreja Católica, na 17.ª edição do IndieLisboa, que terminou sábado.

Em nota divulgada na sua página, o SNPC destaca uma obra “profundamente humanista, um percurso reflexivo em torno do sentido e do valor da vida, em tempos onde crescem tiques de desprezo e exclusão dos mais frágeis”.

Interpretada por Michael Spencer, Marco Joel Fernandes, Alexandre da Costa Fonseca, Iara Cardoso e Luisa Martins dos Santos, a coprodução suíço-portuguesa tem argumento de Saadi e Basil da Cunha, que também assina, com Rui Xavier, a fotografia.

“O cuidado estético das imagens, a sua montagem irrepreensível, o excecional desempenho dos atores verdadeiramente poético, criam uma narrativa de tal forma envolvente, que permite acompanhar percursos de pessoas e comunidades, nas suas contradições e aspirações interiores, cujo destino evidencia um desejo de crescimento espiritual”, sublinhou o júri, na declaração que justifica a escolha.

O Prémio Árvore da Vida, no valor de 2 mil euros, distingue um filme, e respetivo cineasta, tendo como critério de eleição “os seus valores espirituais e humanistas, a par das qualidades cinematográficas”.

O júri desta edição foi composto por Inês Gil, cineasta e professora de Cinema na Universidade Lusófona; Helena Valentim, docente do Departamento de Linguística da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa; e o padre António Pedro Monteiro, secretário provincial dos Dehonianos e capelão hospitalar.

Basil da Cunha, que também venceu o prémio do IndieLisboa para a melhor longa-metragem portuguesa, nasceu no cantão francófono de Morges, Suíça, em 1985.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.