Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Grécia e Turquia: um conflito secular

05 set, 2020 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


É antiquíssimo o confronto entre turcos e gregos. O conflito manifesta-se, agora, em torno da delimitação de águas territoriais no Mediterrâneo, com potencial em petróleo e gás natural. O risco de confronto militar vai subindo.

O Mediterrâneo oriental enfrenta o problema, muito difícil de ultrapassar, da desintegração do Líbano. E nas últimas semanas reapareceu um conflito secular, o confronto entre a Turquia e a Grécia, agora em torno da delimitação de águas territoriais. A Turquia enviou navios de guerra e aviões para junto de áreas do Mediterrâneo com potencial em petróleo e gás natural. A Grécia opõe-se e o risco de confronto militar vai subindo.

A Turquia pesquisa petróleo no mar junto à parte da ilha de Chipre, que ocupou em 1974. A outra parte de Chipre é independente, pró-grega e entrou na UE em 2004. A parte de Chipre pró-turca também se proclama independente, mas não é reconhecida internacionalmente e recusou entrar na UE, ao contrário da parte grega.

Se os EUA não tivessem abandonado a sua liderança mundial, provavelmente a tensão greco-turca iria desvanecer-se com o envio de um porta-aviões americano para a zona. Uma intervenção de Trump a menos de dois meses de eleições é impensável. Só Macron tem procurado apoiar a Grécia contra a agressividade de Erdogan, mas os seus meios são limitados.

Assistir a um conflito, que pode descambar em guerra entre dos países membros da NATO, é mais um sinal da “nova desordem” internacional. Mas a hostilidade entre turcos e gregos é muito antiga.

No séc. XV o império otomano, de religião islâmica, ocupou o que é hoje a Grécia. E os gregos só alcançaram a independência há dois séculos (1828); a longa “colonização” turca, ou otomana, explica boa parte da desconfiança grega em relação aos turcos.

A Turquia tornou-se um Estado independente a seguir à I guerra mundial, que desfez o império otomano. E o líder da independência turca, Ataturk, chegou ao poder combatendo, com sucesso, a invasão grega da Ásia menor.

A hipótese de o longo conflito entre a Grécia e a Turquia ser ultrapassado com a adesão de ambos os países à UE é hoje uma quimera. A Grécia é membro da UE desde 1981, ajudada pelo então presidente da França, Giscard d’Estaing. Pelo contrário, as negociações para a entrada da Turquia na UE não avançaram e seriam impossíveis com o atual presidente turco Erdogan, que limitou os direitos e as liberdades no seu país, voltando-se para o mundo muçulmano.

Mas, repito, Grécia e Turquia são membros da NATO. A hostilidade recíproca dos dois países coloca à Aliança Atlântica problemas delicados. Até porque as forças armadas turcas são as mais poderosas da NATO, depois das americanas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.