Tempo
|
A+ / A-

Football Leaks

Julgamento de Rui Pinto arranca esta sexta-feira. Saiba o que está em causa

04 set, 2020 - 06:46 • Redação com Lusa

O criador do Football Leaks está acusado de 90 crimes, entre os quais acesso indevido, violação de correspondência, acesso ilegítimo e sabotagem informática, e tentativa de extorsão.

A+ / A-

O julgamento de Rui Pinto, criador do Football Leaks, começa esta sexta-feira. O alegado “hacker” está acusado 68 crimes de acesso indevido, 14 de violação de correspondência, seis de acesso ilegítimo e de sabotagem informática à SAD do Sporting e de extorsão, na forma tentada.

A acusação do Ministério Público (MP), para a qual remete o despacho de pronúncia, sustenta que, desde o início de 2015 até 16 de janeiro de 2019, Rui Pinto “muniu-se de conhecimentos técnicos e de equipamentos adequados que lhe permitiram aceder, de forma não autorizada, a sistemas informáticos e a caixas de correio eletrónico de terceiros”.

Em causa está, no fundo, o conceito de “whistleblower” (denunciante) e o equilíbrio entre o direito à reserva de pessoas e empresas e o alegado interesse público nas informações obtidas através do Football Leaks. Os crimes por que Rui Pinto vai responder – são 90 ao todo – visam entidades como o Sporting, o fundo de investimento Doyen Sports, a sociedade de advogados PLMJ, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Detalhes dos crimes por que Rui Pinto responde


O crime de tentativa de extorsão (de 500 mil a um milhão de euros) diz respeito à Doyen, com a contrapartida de Rui Pinto não revelar documentos deste fundo de investimento, com a intermediação de Aníbal Pinto, então advogado de Rui Pinto.

O alegado pirata informático terá acedido, em setembro de 2015, ao sistema informático deste fundo de investimento e obteve dezenas de documentos confidenciais, sobretudo contratos de jogadores e de clubes. Ainda segundo o MP, um mês depois, houve um encontro presencial, na estação de serviço da autoestrada A5, em Oeiras, entre Nélio Lucas, à data representante legal da Doyen Sports, e Aníbal Pinto, que serviu de intermediário.

Entre 6 de novembro de 2018 e 7 de janeiro de 2019, Rui Pinto terá acedido 307 vezes aos servidores da PGR e obtido documentos dos processos do roubo do armamento de Tancos, do BES e da Operação Marquês.

O MP diz, também, que Rui Pinto entrou, entre 20 de julho e 30 de setembro de 2015, nas caixas de correio eletrónico de 19 elementos do Conselho de Administração e do departamento de futebol (profissional e de formação) do Sporting. Entre os quais o então presidente do clube, Bruno de Carvalho, e o ex-treinador, Jorge Jesus, além de Otávio Machado e Augusto Inácio.

Quanto à FPF, a acusação refere que, entre as 04h31 e as 08h00 de 1 de março de 2018, Rui Pinto efetuou 48 acessos a servidores/computadores.

Sobre a sociedade de advogados PLMJ, a acusação diz que, após tomar conhecimento da equipa de advogados que iria defender o Benfica no processo “e-toupeira”, o arguido “decidiu aceder ao sistema informático e de correio eletrónico” desta sociedade e seus advogados.

Em que se resguarda a defesa de Rui Pinto?


A defesa do criador do Football Leaks encontra-se a cargo dos advogados William Bourdon (que já representou denunciantes como Edward Snowden ou Antoine Deltour), Francisco Teixeira da Mota e Luísa Teixeira da Mota. Invoca a inclusão do arguido sob a proteção de denunciantes, um regime sobre o qual o Parlamento Europeu aprovou uma diretiva em abril de 2019 e que o Estado português tem, ainda, de transpor para a legislação nacional.

Esta legislação, a primeira a nível europeu sobre a proteção dos denunciantes, aplica-se às pessoas que pretendam alertar para eventuais violações do direito da União Europeia em vários domínios. Nomeadamente, branqueamento de capitais, fraude fiscal, contratação pública, segurança dos produtos e dos transportes, proteção do ambiente, saúde pública, proteção dos consumidores e proteção dos dados pessoais.

Os representantes de Rui Pinto defendem que o interesse público das informações reveladas supera a gravidade dos alegados ilícitos cometidos pelo “hacker”. A sustentar a tese está a colaboração, até à detenção, com as autoridades judiciais de França, Bélgica e Países Baixos na condição de denunciante. Facto confirmado pelo Eurojust, a Unidade Europeia de Cooperação Judicial, com fornecimento de informações e documentos que tinha em sua posse.

Especialistas recordam "princípios fundamentais"


Especialistas em Direito ouvidos pela Renascença dizem que espírito da lei tem abertura para que o interesse público dos dados revelados atenue a pena, mas não prevê o perdão. As provas divulgadas poderão, até, não ser consideradas válidas.

“Na lei portuguesa, não há disposições específicas sobre a proteção dos denunciantes”, explica à Paulo Sá e Cunha, advogado. “Há determinados instrumentos de Direito Europeu que prevêem a criação de canais de denúncia, através dos quais as pessoas que trabalham numa determinada organização possam denunciar com determinadas garantias de anonimato e proibição de represálias”, elucida, em declarações à Renascença.

Para Paulo Sá e Cunha, o caso descrito na lei é bem distinto do de um pirata informático, que “é alguém que está de fora e que acede de forma ilegítima a um sistema informático para o qual não está autorizado a aceder”.

Neste caso, "há uma diferença muito apreciável”, realça o advogado, que vê riscos na possibilidade de se consagrar na lei uma proteção especial a quem comete um ato ilícito para obter provas.

Em entrevista à revista alemã "Der Spiegel", Rui Pinto defendeu que esse dado não deveria ser o mais importante no caso: “Não acho que deva importar se alguém que divulga documentos incriminatórios está dentro da empresa ou se esse material é divulgado por alguém de fora. No final, é sempre um denunciante [‘whistleblower’] a expor algo que, caso contrário, se manteria longe da sociedade: crimes, coisas erradas, má conduta.”

Também por isso, o suposto "hacker" considera que o argumento da nulidade das provas pelo facto de terem sido obtidas de forma ilegal não deveria importar. Para Paulo Sá e Cunha, esse argumento não pode ser aplicado aos olhos da lei.

“Não podemos tolerar que alguém que atua ilicitamente, praticando um crime, esteja numa posição que é mais favorável para a obtenção de prova do que aquela em que estão as próprias autoridades”, diz o jurista, que avança até a possibilidade de a prova obtida poder ser considerada imprestável: “Não é utilizável porque viola os princípios fundamentais do processo penal.”

Em mensagem escrita enviada à Renascença, a 8 de novembro de 2019, Rui Pinto assumiu aceitar “perfeitamente que, à luz do ordenamento jurídico, alguns dos [seus] atos sejam considerados ilegais”.

“Irei responder por isso. Mas não posso aceitar esta perseguição e esta postura violenta e vingativa por parte do Estado português. Encontro-me há sete meses preventivamente detido, seis dos quais em regime de isolamento, sem que tivesse tido qualquer interação com outros detidos. Não matei nem roubei. Face a tudo o que tem acontecido neste processo, tenho sérias dúvidas de que terei um julgamento justo. De qualquer forma, irei lutar com todas as minhas forças para fazer valer a minha posição. Sou apesar de tudo um denunciante, um 'whistleblower' que serviu o interesse público ao expor graves ilegalidades e atos de corrupção”, escreveu o alegado “hacker”.

Contudo, também em declarações à Renascença, Faria Costa, antigo provedor de Justiça, assinalou que a delação premiada “não é mais do que uma forma de corrupção ética”.

"É, indiscutivelmente, uma forma de fazer com que o Estado, que deve ser uma pessoa de bem, aceite formas enviesadas da procura e investigação criminal. São coisas muito sérias e não têm que ser baseadas em forma de corrupção ética”, afirmou o penalista.

Na lista de 45 testemunhas arroladas por Rui Pinto, figuram vários nomes sem ligação conhecida aos factos que constam no processo, mas que poderão relevar o interesse público das informações expostas. Destacam-se o denunciante norte-americano Edward Snowden, a ex-eurodeputada Ana Gomes, o diretor da Polícia Judiciária (PJ), Luís Neves, o treinador Jorge Jesus ou o jornalista e ativista angolano Rafael Marques.

Arranca o julgamento de Rui Pinto


Rui Pinto encontra-se em liberdade desde 7 de agosto, “devido à sua colaboração” com a PJ e o seu “sentido crítico”, de acordo com a justificação da juíza Margarida Alves, apesar da oposição do MP. Porém, por questões de segurança, encontra-se inserido no programa de proteção de testemunhas em local não revelado e sob proteção policial.

Detido na Hungria e entregue às autoridades nacionais com base num Mandado de Detenção Europeu, o arguido esteve em prisão preventiva desde 22 de março de 2019, até 8 de abril de 2020.

A 17 de janeiro, o Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa pronunciou Rui Pinto por 90 crimes, em vez dos 147 que constavam da acusação do MP. Na leitura da decisão instrutória, a juíza Cláudia Pina defendeu que Rui Pinto “nunca poderia ser enquadrado na categoria de ‘whistleblower’”, pois teve uma “atuação diversa à de denunciante de boa fé” e agiu de “modo ilícito”.

O início do julgamento está agendado para as 09h30 desta sexta-feira, no Tribunal Central Criminal de Lisboa, no Campus da Justiça. Em média, terá três sessões por semana, durante os próximos meses.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim
    04 set, 2020 Nenhures 09:35
    Se este criminoso for absolvido ou levar um pena simbólica, EU JÁ SEI QUAL O FUTURO QUE QUERO PARA OS MEUS FILHOS: PIRATA INFORMÁTICO!