Tempo
|
A+ / A-

Primeiro caso confirmado em campo de refugiados de Moria na Grécia

02 set, 2020 - 12:30 • Lusa

A informação foi adiantada por uma fonte do ministério grego das Migrações. Neste campo permanecem mais de 13 mil pessoas em condições precárias.

A+ / A-

A Grécia anunciou o primeiro caso de contaminação de Covid-19 no campo de refugiados de Moria, o principal do país, na ilha de Lesbos, na Grécia, onde permanecem mais de 13 mil pessoas em condições precárias.

"Um cidadão da Somália foi testado como positivo", disse à France-Presse uma fonte do ministério grego das Migrações. O doente tinha estado em Atenas e regressou recentemente à ilha de Lesbos.

Em julho, um refugiado, originário do Iémen de 35 anos, foi detetado como contaminado com Covid-19 no campo da ilha de Chios.

A Grécia anunciou esta quarta-feira o prolongamento - até ao dia 15 de setembro - do período de confinamento imposto aos refugiados que se encontram nos campos.

No país encontram-se mais de 24 mil requerentes de asilo, que permanecem em instalações insalubres e lotadas.

Os principais campos de refugiados estão montados em cinco ilhas do Mar Egeu.

De acordo com as autoridades, os refugiados que chegam à Grécia são sujeitos a uma "quarentena" em "estruturas separadas" para que seja evitada a propagação de SARS CoV-2.

Segundo o balanço oficial, na Grécia morreram 271 pessoas vítimas de Covid-19.

A pandemia do coronavírus que provoca a Covid-19 já provocou pelo menos 851.071 mortos e infetou mais de 25,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.824 pessoas das 58.243 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.