Tempo
|
A+ / A-

França

Arranca o julgamento dos ataques terroristas em 2015 que mataram 17 pessoas

02 set, 2020 - 08:23

Os autores foram mortos na altura, portanto, os 14 acusados neste processo são pessoas que os ajudaram materialmente ou que contribuíram para a sua radicalização, sendo considerados cúmplices.

A+ / A-

Começa esta quarta-feira, o julgamento relativo aos ataques terroristas de janeiro de 2015 em Paris, incluindo à revista satírica Charlie Hebdo, em que morreram 17 pessoas. No banco dos réus estrão sentadas 14 pessoas.

Para além do ataque ao Charlie Hebdo levado a cabo pelos irmãos Kouachi e no qual morreram 12 pessoas, estão também em causa os ataques perpetrados por Amedy Coulibaly: a morte de uma polícia em Montrouge, nos arredores da capital, e a morte de outras quatro pessoas num supermercado, também nos arredores da capital francesa.

Os irmãos Kouachi como Coulibaly, que terão coordenado os seus ataques, foram mortos pela polícia após os seus atentados, e os 14 acusados neste processo são pessoas que os ajudaram materialmente ou que contribuíram para a sua radicalização, sendo considerados como cúmplices.

Três suspeitos nestes ataques, os irmãos Belhoucine e Hayat Boumeddiene (companheira de Amedy Coulibaly), vão ser julgados à revelia.

Também hoje, a revista satírica Charlie Hebdo república em edição física as caricaturas de Maomé que a transformam num alvo dos jihadistas, um número especial que marca o início do julgamento.

O processo deverá prolongar-se até 9 de novembro e vai ter 49 sessões.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.