Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

DGS já enviou parecer técnico sobre Festa do Avante ao PCP, mas não o vai divulgar

30 ago, 2020 - 20:48 • Joana Azevedo Viana

"A DGS não divulgará o conteúdo deste parecer, cabendo à entidade organizadora fazê-lo", aponta o organismo dirigido por Graça Freitas em comunicado enviado às redações.

A+ / A-

Veja também:


Horas depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter criticado a "indefinição de regras" para a Festa do Avante, que arranca dentro de cinco dias, a Direção-Geral da Saúde (DGS) enviou às redações, ao final deste domingo, um comunicado em que adianta que já enviou o seu parecer técnico aos organizadores no contexto da pandemia de Covid-19.

"A Organização da Festa do Avante solicitou à Direcção-Geral da Saúde (DGS) um parecer técnico para a realização da habitual Festa do Avante, cuja versão final foi hoje entregue à organização, tal como estava previsto", indica a DGS, que adianta ter realizado "várias reuniões" para "adequar a organização do evento às medidas de saúde pública inerentes" à pandemia de Covid-19.

A DGS destaca que a festa que marca a reentré política do Partido Comunista é "um evento com múltiplos espaços e a que se aplicam regras de áreas de restauração, eventos culturais e circulação de pessoas".

Na realização de eventos, é sublinhado no mesmo documento, "é necessário que estejam assegurados todos os aspetos que permitam salvaguardar não só a saúde dos participantes, mas também da comunidade como um todo, uma vez que, epidemiologicamente, cada evento comporta riscos.

Este domingo, a agência Lusa avançou que pelo menos 40 comerciantes da freguesia de Amora, com estabelecimentos ao redor da Quinta da Atalaia, planeiam fechar portas no decorrer do Avante para "mitigar o risco de contágio", numa altura em que as regras para o evento ainda não são conhecidas.

No seu comunicado, a DGS adianta que "não divulgará o conteúdo deste parecer, à semelhança de todos os pareceres técnicos entregues até ao momento, cabendo à entidade organizadora fazê-lo, se assim o entender".

Contactada pela Renascença na quarta-feira, a organização da Festa do Avante primeiro respondeu que não estava prevista a divulgação de qualquer relatório. Mais tarde, o PCP enviou um comunicado às redações em que defendia que “cabe à DGS dar a conhecer relatórios, pareceres ou outras reflexões que tenha produzido, esteja a produzir ou venha a produzir”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    30 ago, 2020 Coimbra 21:43
    Graça Freitas continua a ser mais do mesmo!! Demonstra total incapacidade e irresponsabilidade para desempenhar o cargo que ocupa. Este declaração é a cereja no topo, do comportamento desta senhora, que demonstra que se vendeu ao PCP e não sabe viver em democracia. Tanto problema com o público nos estádios, que são mais fáceis de controlar, porque têm lugares e o espaço da festa do avante, é uma área muito vasta, mas que não controle de ajuntamentos. Esta situação revela a hipocrisia desta senhora. Temos ainda o problema que nesta altura o país está a sofrer um agravamento acentuado na pandemia, que é o suficiente para cancelar o evento. O governo deveria face a este agravamento, declarar já a partir do dia 1 o estado de emergência. Se a festa do avante for em frente e se a situação da pandemia se agravar, a Graça Freitas, se for mulher e honesta, deve demitir-se e ser responsabilizada juridicamente, por crime contra a saúde pública, bem como, os membros do comité do PCP.

Destaques V+