Tempo
|
A+ / A-

OE 2021

Costa voltou a declarar-se à esquerda, atira Rio. "Não basta declarar", responde PCP

29 ago, 2020 - 20:39 • Joana Azevedo Viana

Presidente do PSD diz que primeiro-ministro propôs "casamento em regime de comunhão geral" ao Bloco e ao PCP. Comunistas querem "mais do que palavras" e criticam "ameaça com crise" feita pelo primeiro-ministro em entrevista ao "Expresso".

A+ / A-

O presidente do Partido Social Democrata (PSD) reagiu este sábado no Twitter à entrevista concedida por António Costa ao semanário "Expresso", na qual, segundo Rui Rio, o primeiro-ministro "se volta a declarar" ao Bloco de Esquerda e ao Partido Comunista, "propondo um casamento em regime de comunhão geral".

"Na mesma entrevista apaixonada em que se volta a declarar ao BE e ao PCP, dizendo que não consegue viver sem eles, e propondo um casamento em regime de comunhão geral, António Costa diz que o centro político se revê no PS e não no PSD. E esta, hem?", escreveu Rui Rio naquela rede social.

A acompanhar, surge a imagem de um cartaz de campanha do líder social democrata, onde se lê "Rui Rio. Portugal ao Centro."

Na entrevista de Costa ao "Expresso" este fim de semana, o primeiro-ministro diz que, "no dia em que a sua sobrevivência depender do PSD, este Governo acabou".

"Já disse muito claramente ao PCP e ao BE que não vale a pena ter esse sonho da construção de blocos centrais. E é manifesto que o PSD já disse que não os quer. O interesse que o PSD manifesta é de dialogar com o Chega, portanto isso é outro caminho novo que se está a abrir na direita portuguesa. Há uma tentação, que não digo que seja do Jerónimo de Sousa ou da Catarina Martins, que percebo ser de alguns estrategos do PCP e do BE, que dizem: “Ah, agora é que vai ser, eles vão ser obrigados a governar à direita.” Já expliquei com muita clareza: esse sonho não se vai realizar. No dia em que a subsistência deste Governo depender de um acordo com o PSD, nesse dia este Governo acabou."

Em outras declarações já comentadas por Catarina Martins, que as classificou de "ultimato que não resolve nada", Costa também diz que, "se não houver acordo" à esquerda para aprovar o Orçamento do Estado para 2021 (OE 2021), o país vai enfrentar "uma crise política".

"Problemas não se resolvem com ameaças", diz PCP

Também em reação à entrevista de António Costa, o PCP enviou um comunicado às redações no qual sublinha que "não basta" a Costa declarar que não quer nada com o PSD.

"Mais do que palavras, o que decide são as opções, soluções e caminhos escolhidos para responder aos problemas nacionais", refere o gabinete de imprensa comunista. "Não basta declarar que não se quer nada com o PSD, é preciso que não se façam as mesmas opções que este faria. Tanto mais quando se continuam a registar, em diversas matérias relevantes, convergências entre os dois partidos."

Sobre o facto de Costa ter invocado uma possível crise política caso não haja acordo para aprovar o OE 2021, o partido dirigido por Jerónimo de Sousa responde que "os problemas não se resolvem ameaçando com crises, mas sim encontrando soluções para responder a questões inadiáveis que atingem a vida de milhares de pessoas".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    29 ago, 2020 Funchal 22:35
    Não é tempo para brincar aos partidos. Temos de salvar o país e olhar pelos pobres.