Tempo
|
A+ / A-

Mais cinco mil vagas no Ensino Superior?

28 ago, 2020 - 11:17 • Carla Fino com redação

Medida foi aprovada em Conselho de Ministros, na quinta-feira, depois de um número recorde de candidaturas para o próximo ano letivo.

A+ / A-

As universidades e os politécnicos vão poder canalizar para a primeira fase do Concurso Nacional de Acesso, as vagas que ficaram por ocupar nos concursos especiais, como o que existe para os estudantes internacionais.

À Renascença Pedro Dominguinhos, do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos, diz que o número de vagas pode ser cinco mil, mas é preciso aguardar pelo fim das matrículas que ainda estão a decorrer para chegar a um número final.

“O valor prende-se com a extrapolação dos resultados do ano passado, quando foram abertas cerca de 11 mil vagas e foram ocupadas cerca cinco mil pelos estudantes internacionais – daí o valor máximo que possa ser alocado é de cinco mil”, contabiliza.

A medida foi aprovada em Conselho de Ministros, na quinta-feira, depois de um número recorde de candidaturas. Cada instituição terá agora de apurar quantas vagas sobram.

“Tivemos no concurso nacional de acesso o maior número de candidatos desde há muitos anos e, por isso, o Governo resolveu que as instituições de ensino superior podem usar essas vagas para o concurso geral de acesso”, justificou a ministra Mariana Vieira da Silva.

A primeira fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior público registou, este ano, 62.675 candidatos, o maior número nos últimos 25 anos.

Tendo em conta o aumento, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior estima que o número de novos ingressos no ensino superior “em todos os ciclos de estudos, públicos e privados, atinja cerca de 90 mil novos estudantes matriculados no próximo ano letivo de 2020/21”, contra 84 mil no ano passado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.